Produção industrial cresce 18,4% em fevereiro, e volta ao patamar de maio de 2008
01 de abril de 2010 | Autor: O Globo
Fonte: O Globo

A expansão de 18,4% da produção industrial em fevereiro levou o setor ao nível de maio de 2008, apenas 3,2% abaixo do patamar registrado em setembro daquele ano, um mês antes do início da crise financeira internacional.

O gerente de Análise e Estatísticas Derivadas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), André Macedo, disse o resultado foi impulsionado pelo mercado interno.

-- Os dados de fevereiro sinalizam um incremento das atividades industriais, alavancadas pelo mercado interno. Em relação a janeiro, podemos destacar a volta do crescimento dos bens de consumo semi e não duráveis (avanço de 2,4%) e dos bens de capital (máquinas e equipamentos), que cresceram 1,7%, após dois meses de estabilidade. Temos um perfil de crescimento disseminado, atingindo quase todas as atividades --- analisa o economista.

A produção industrial acumula expansão de 17,2% no primeiro bimestre de 2010 frente ao mesmo período do ano passado, impulsionada pelo setor de veículos e automotores, cuja atividade avançou 38,9% em janeiro e fevereiro. É o que mostra pesquisa divulgada nesta quinta-feira IBGE nesta quinta-feira.

Em fevereiro, a produção da indústria brasileira cresceu 1,5%, em comparação com janeiro, descontadas as influências sazonais. Foi o segundo mês consecutivo de alta deste indicador, que registrou contração em dezembro e novembro em igual base de comparação. Em relação a fevereiro de 2009, a atividade expandiu-se 18,4%. Entretanto, no acumulado em 12 meses ainda registra contração, de 2,6%.

Outras contribuições positivas relevantes vieram de máquinas e equipamentos (37,8%), outros produtos químicos (29,9%) e metalurgia básica (34,7%). Entre os três ramos em queda, destacou-se o de outros equipamentos de transportes (-16,7%).

O IBGE revisou os dados de janeiro, com o crescimento de 1,2% em relação a dezembro, ante os 1,1% divulgados anteriormente; e com a expansão ante janeiro de 2009 passando de 16% para 16,1%. Também revisou o dado de dezembro de 2009, de queda de 0,2% para declínio de 0,1% em relação a novembro.

Ainda, o dado de novembro passou de retração de 0,8% para recuo de 0,7% ante outubro. E em outubro o dado foi revisado de acréscimo de 2,9% para expansão de 3% frente a setembro.