Produtividade industrial deve ter maior alta desde 2004, abrindo espaço para reivindicação salarial
19 de abril de 2010 | Autor: O Globo
Fonte: O Globo

A produtividade do setor em 2010, que no primeiro bimestre cresceu 15,4%, deve chegar ao fim do ano a 5%, de acordo com especialistas. Ainda assim, seria o maior aumento desde 2004, quando esse indicador de eficiência da indústria cresceu 6,8%, e o salário médio do trabalhador subiu 7,7%, segundo dados do IBGE.

Produtividade maior significa que o custo de produção de cada item que sai da linha de montagem diminuiu, abrindo espaço para aumentos salariais, queda de preços ou ganhos de mercado.

Essa é a expectativa da Confederação Nacional dos Metalúrgicos, entidade sindical ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT). Para seu presidente, Carlos Grana, a alta da produtividade, associada a um bom momento da economia, fez engordar em 20% acima da inflação o salário da categoria, nos últimos cinco anos:

O gerente executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, por sua vez, está convencido de que "a chave do crescimento é a produtividade":

- Maior produtividade significa menores custos. Pode remunerar melhor o empregado, pode levar a ganho de mercado, e até o governo ganha por meio da arrecadação. Outro reflexo aparece nos preços menores, aumentando a competitividade.

Já Sílvio Sales, economista da Fundação Getulio Vargas (FGV), lembra que houve uma interrupção da trajetória de expansão contínua da produtividade com a crise financeira:

- Mas já a partir do último trimestre do ano passado, a produtividade já tinha recuperado o patamar pré-crise. É um movimento saudável, uma vez que aumenta a competitividade do setor e também pode se reverter em ganho salarial.

Só que, apesar da melhora de cenário, ainda há um obstáculo para as conquistas salariais dos trabalhadores: a alta rotatividade. Mesmo com os trabalhadores conseguindo negociar reajustes salariais acima da inflação, a rotatividade, que pode chegar a 30% em alguns setores da indústria, vem emperrando o aumento salarial médio da indústria.