ACT: 1ª Rodada de negociação decepciona trabalhadores
03 de maio de 2010 | Autor: SINERGIA/BA
Fonte: SINERGIA/BA

Foi realizada no dia 28 de abril, quarta-feira, no Rio de Janeiro, a 1ª rodada de negociação do Acordo Coletivo de Trabalhadores do Sistema Eletrobras, dando oficialmente início à nossa campanha salarial. A reunião mostrou a total indiferença da direção da Holding com relação aos pleitos dos trabalhadores, pois mesmo reconhecendo ter o conhecimento de todas as cláusulas da nossa pauta, não foi dada resposta, causando com isso grande decepção aos representantes sindicais presentes na reunião.

 

Queremos iniciar uma negociação de forma séria, sem artifícios de se "empurrar com a barriga" as nossas reivindicações. Por isso, exigimos que na próxima reunião de negociação sejam apresentadas pelos prepostos do Sistema Eletrobras respostas concretas à nossa pauta de reivindicações. Até porque os representantes sindicais viajam de várias regiões do país na expectativa de levar para suas bases notícias concretas e não respostas evasivas e que nada contribuem para o processo da negociação.

 

Essa postura equivocada da Eletrobras de esticar ao máximo as negociações ficou evidente com a marcação da próxima rodada somente para o dia 20 de maio. O CNE criticou esta data por entender que está muito longe, conseguindo a antecipação para o dia 19/05.

 

Assim, para aproveitar essa viagem à Brasília faremos uma série de atividades institucionais no intuito de pressionar a empresa a negociar de forma verdadeira o ACT (veja o calendário abaixo). Nesse momento, em que vem sendo anunciada para todo o país a Nova Eletrobras, é preciso que ela também seja nova no tratamento com os seus trabalhadores, priorizando as discussões do ACT e reconhecendo o extraordinário momento em que vive a economia brasileira.

 

----------- Atividades em Brasília --------------

18/05 - Preparação para a reunião do ACT

18/05 - Ações institucionais junto aos

Parlamentares

19/05 - 2ª Rodada de Negociação

20/05 - Avaliação da rodada

24/05 e 25/05 - Indicativo de Paralisação - Caso

não aconteça avanço no ACT

 

PCR: PARALISAÇÃO DIA 10

TRABALHADORES NA LUTA POR UM PLANO JUSTO!

 

No dia 12 de abril foi realizado, com grande adesão, o Dia Nacional de Protesto contra a forma encontrada pela direção da Eletrobras para formular e aplicar o PCR na categoria, tentando empurrar "goela abaixo", um PCR imposto pelo DEST e que está muito aquém do que realmente queremos.

 

A reunião sobre o PCR no Rio de Janeiro novamente mostrou que o plano não apresenta qualquer mudança reivindicada pelo CNE no que tange os sete pontos (veja abaixo) que foram apresentados à empresa. Por isso, os trabalhadores em reunião do CNE deliberaram pela paralisação de 48 horas a partir do dia 10 de maio em todo país.

 

Vamos mostrar à direção da Holding que o PCR para nós é um processo muito sério, que representa o presente e o futuro. Foram anos de luta por um PCR que corrigisse uma série de distorções nas empresas, que valorizasse o trabalhador na sua trajetória profissional ao longo de anos de dedicação, desta forma não vamos admitir que sejamos prejudicados com a interferência de um órgão como o DEST, que não conhece a nossa realidade como seres humanos e as nossas necessidades.

 

Não somos apenas números. É importante destacar que, além do plano não contemplar nossas reivindicações, a Direção da Eletrobras vem tentando de forma dissimulada misturar as negociações do PCR com o Acordo Coletivo de Trabalho, como forma de tentar impor o plano aos trabalhadores de qualquer jeito. Repudiamos essa atitude da Holding, pois são temas distintos e fundamentais, mas nossa resposta será dada como uma paralisação forte em todo país. Queremos um PCR justo!

 

SETE PONTOS DEFENDIDOS PELO CNE

 

1. Tabela unificada para todas as empresas - geradoras e distribuidoras;

2. Antiguidade automática (internível de 3% a cada 18 meses);

3. Enquadramento por nível de complexidade/ qualificação e não o enquadramento cego pelo salário ou área de elegibilidade que, em alguns casos, aumenta a distorção;

4. Negociação do ADL;

5. Curva de maturidade na transição;

6. Forma de gestão da verba para movimentar o plano;

7. Recuperação anual do piso salarial, para evitar que a Eletrobras continue sendo um grande centro de treinamento de profissionais para outras empresas.

 

Plano Médico dos Aposentados do Sistema Eletrobras

 

O Coordenador do Grupo de Trabalho do Plano de Saúde, Dr. Mauro Massa, fez uma apresentação aos membros do Coletivo Nacional dos Urbanitários sobre os estudos e a fase atual em que está a criação do plano médico para os aposentados.

 

Foram feitos vários questionamentos. O que podemos informar é que o plano está em fase ainda embrionária e deixamos propostas para colaborar com o desenvolvimento dos trabalhos, já que é imprescindível a criação desse plano, por se tratar de um anseio de toda a categoria.