PCR ÚNICO- NOVA REUNIÃO COM CNE PREVISTA PARA ESTE MÊS
18 de agosto de 2010 | Autor: FNU
Fonte: FNU



Na manhã desta quarta-feira, dia 04 de agosto, no Rio de Janeiro, a Comissão do PCR do Coletivo Nacional dos Eletricitários esteve reunida com o Diretor de Administração da Eletrobrás, Prof. Miguel Colassuono, para dar continuidade às discussões do PCR, conforme compromisso assumido pela direção da Holding no fechamento do ACT 2010.

O CNE mais uma vez cobrou agilidade no processo, já que os trabalhadores estão ansiosos pela finalização de um PCR justo, que faça todas as correções necessárias. De acordo com o Diretor de Administração existe um estudo sendo feito para apresentar uma proposta final para os trabalhadores com grandes avanços, por isso ele estava indo a Brasília para fechar essa contraproposta no Ministério de Minas e Energia e DEST.

Colassuono afirmou ainda que a expectativa da Eletrobras é que o PCR seja implantado em setembro nas geradoras e em novembro nas distribuidoras.

Em função da legislação eleitoral que impõem certas limitações de ordem financeira e administrativa  nas empresas estatais está garantido a retroatividade para aqueles que nesse período sejam enquadrados na correção.

O CNE considera que está primeira reunião foi produtiva, com o indicativo de avanços. A Eletrobras sinalizou que até o final do mês acontecerá em Brasília uma nova rodada de negociação para debater o PCR.

Veja abaixo alguns pontos importantes que foram debatidos:

Tabela
Com relação à tabela unificada, no caso das distribuidoras será de 80 %,
mas com cronograma para correção da tabela.
Antiguidade
Vai ser automática, mas deve ser aplicada a cada 24 meses.
Está sendo estudada a questão da retroatividade e a compensação para aquelas empresa que
possuírem a promoção por antiguidade.
Enquadramento
A Eletrobrás atendendo pleito do CNE vai autorizar que empresas utilizem as sobras da verba dos
PCRs das empresas para diminuir as distorções criadas com o enquadramento do PCR único do
Sistema Eletrobras.
Formas de adesão
Foi informado que a adesão acontecerá de forma individual. Sendo que a mesma deverá ser
homologada pelo sindicato majoritário de cada Estado. O CNE ficou de analisar essa proposta.