CCJ quer ouvir servidores da Receita, Previ e Planalto
27 de agosto de 2010 | Autor: Veja
Fonte: Veja

Diante da repercussão do vazamento de dados fiscais de tucanos, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado marcou para esta terça-feira depoimento com o corregedor-geral da Receita Federal, Antonio Carlos Costa D`Ávila Carvalho. A audiência pública é para esclarecer o suposto esquema de pagamento de propina em troca de acesso a informações sigilosas. O funcionário ainda não confirmou presença.

Durante coletiva nesta sexta-feira, o corregedor informou que as servidoras Adeildda Ferreira Leão dos Santos e Antonia Aparecida Rodrigues dos Santos Neves Silva serão indiciadas. As representações foram entregues ao Ministério Público Federal (MPF). Apesar do indiciamento, o servidor negou ligação entre a quebra do sigilo e o processo eleitoral: “Não identificamos qualquer ilação político-partidária”. O vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, uma das vítimas da quebra de sigilo, acusou a Receita de, com essa afirmação, tentar desviar o caráter político do vazamento de seus dados.

Em nota, o MPF afirmou que investiga a violação dos dados do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e pode oferecer ação penal contra os responsáveis, caso seja comprovada prática de delito. A procuradoria disse ainda que não pode fornecer detalhes da apuração porque o caso corre sob sigilo.

Previ - Também foram convidados para audiência desta terça o ex-gerente de planejamento do Fundo de Pensão dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ) Gerardo Santiago e o ex-presidente da Previ Sérgio Rosa. Gerardo já avisou que não vai comparecer e Rosa ainda não respondeu ao convite. Os senadores querem mais esclarecimentos a respeito da fábrica de dossiês contra adversários do governo montada no gabinete da presidência da Previ. O esquema foi revelado a VEJA por Gerardo Santiago. Ele contou que, cumprindo ordens superiores, elaborou dossiês contra deputados e senadores da oposição. Entre os alvos dos petistas, estava o candidato à Presidência da República José Serra.

Caso Lina Vieira – A CCJ quer ouvir ainda o ex-servidor de informática do Palácio do Planalto, Demétrius Sampaio Felinto. Em entrevista a VEJA, ele confessou ter cópias de imagens que comprovariam encontro da ex-secretária da Receita Lina Vieira com Dilma Rousseff. Na ocasião, a ex-ministra teria pedido para que a funcionária paralisasse investigações contra José Sarney. A petista nega a denúncia. Demétrius Felinto confirmou presença na comissão.