ACT NA ESTACA ZERO: ELETROBRAS NEGA TODA PAUTA DOS TRABALHADORES
13 de maio de 2011 | Autor: FNU
Fonte: FNU

Foi realizada na quinta-feira, dia 12 de março, no Rio de Janeiro, a segunda rodada de negociação do ACT 2011 dos trabalhadores do Sistema Eletrobras. O resultado desta nova reunião foi decepcionante, pois não houve avanço em relação às discussões, os prepostos da empresa negaram todas as cláusulas da nossa pauta, inclusive as econômicas, ou seja, estamos na estaca zero por conta da indiferença da Holding com as nossas reivindicações.

Essa postura na mesa de negociação mostra a real intenção da Holding nessas discussões: negar qualquer avanço, inclusive à questão do ganho real que foi uma conquista dos trabalhadores ao longo dos últimos anos.

Diante dessa conjuntura adversa cabe aos trabalhadores arrancar um acordo justo com muita luta e mobilização. Por isso, estaremos realizando uma paralisação nacional no dia 23 de maio por 24 horas, mostrando toda nossa indignação e a insatisfação com os rumos das negociações até aqui. Em acordos passados já mostramos o quanto somos capazes de intensificar nossas lutas quando somos atacados em nossos direitos, esse é o momento de retomar com força total nossas mobilizações.

Afirmamos na mesa de negociação que os trabalhadores não vão pagar a conta de medidas impopulares, provocadas pela pressão de setores conservadores, meios de comunicação, dentre outros, que tentam colocar a correção de salários e gastos das empresas públicas como os responsáveis pela inflação. Estes argumentos foram usados e praticados amplamente pelo governo neoliberal do “inesquecível” FHC- o da década perdida- e ficou provado que salários não provocam inflação. Um exemplo disso, é que no período de quase 20 anos entre 1989 e 2008, a produtividade da indústria aumentou 84%, enquanto no mesmo espaço de tempo a renda média dos salários caiu 37 pontos.

Ora, o Governo Lula mostrou justamente ao contrário, que a aposta no aumento da massa salarial, das obras públicas e no fortalecimento das empresas estatais, foi fator fundamental para que o Brasil superasse a crise mundial capitalista e hoje se tornasse uma das maiores economias do mundo.

Não vai ser agora, na continuidade de um governo popular e democrático, que ajudamos a eleger, que seremos punidos com a utilização de mecanismos neoliberais. Não aceitaremos também imposições meramente casuísticas do DEST, escudo o qual a Holding ainda usa para não atender as nossas reivindicações.

Os trabalhadores do Sistema Eletrobras e seus sindicatos apesar da posição conservadora da Holding ainda apostam no diálogo, desde que seja contemplada a nossa pauta de reivindicação, que em seu conteúdo reflete o desejo da continuidade das conquistas alcançadas no Governo Lula.

Alertamos que qualquer retrocesso será repelido com todo vigor pelos trabalhadores tendo a frente o Coletivo Nacional dos Eletricitários. Vamos à luta!

Para intensificar a nossa organização o CNE preparou o seguinte calendário de atividades:

23/05- PARALISAÇÃO NACIONAL DE 24 HORAS

24/05- AÇÃO INSTITUCIONAL

25/05- REUNIÃO DE PREPARAÇÃO DO CNE PARA 3ª RODADA DE NEGOCIAÇÃO