Globalização obriga sindicatos a se organizar de forma mundial
07 de junho de 2011 | Autor: Mundo Sindical

Com a globalização das empresas, o movimento sindical sentiu a necessidade de se organizar também desta forma. Nasce assim as redes sindicais, tema abordado no Visão Trabalhista em Debate desta semana, que conta com a participação de Everaldo dos Santos, diretor do Sindicato e integrante da Rede de Trabalhadores da ArcelorMittal.


O representante da categoria explica que a ideia deste tipo de mobilização é garantir à todos os funcionários, seja de uma multinacional ou transnacional, igualdade de direitos. “Senão, a mesma empresa está gerando disparidade entre os trabalhadores”, explica.


Tendo isso como ponto de partida, a rede de trabalhadores de uma determinada empresa é constituída por dirigentes sindicais situados onde há uma fábrica da mesma. “De preferência, que esses representantes sejam também funcionários”, avalia.


Para se comunicar, esses sindicalistas utilizam a internet. “A informação flui de uma forma tão eficaz, que determinada ocorrência numa unidade na Europa, em poucas horas a gente já tem conhecimento aqui”, conta. É na web que acontece as discussões que geram encaminhamentos de articulações que podem ser, por exemplo, uma manifestação ocorrida em uma planta da empresa.