Juros altos, spread abusivo e mercado oligopolizado encarecem financiamentos
26 de abril de 2012 | Autor: DIEESE
Fonte: DIEESE

O Dieese divulgou nota técnica “Spread e juros bancários”, na qual demonstra a necessidade da redução dos juros para a expansão dos investimentos produtivos, para que o País possa retomar o crescimento.


“As taxas de juros bancárias no Brasil são extremamente elevadas, bem como o spread - diferença entre o custo de aplicação e de captação dos bancos. Isso é facilmente verificado quando a comparação é feita com padrões internacionais”, diz a nota.

Em 2010, o volume de crédito ao setor privado no País alcançou 57% do PIB. Bem distante da relação crédito/PIB de países como Dinamarca (225%), Inglaterra (204%), Estados Unidos (202,2%), África do Sul (145,5%) e China (130%).

Em janeiro de 2012 a taxa média paga para aplicações financeiras no Brasil estava em 38% ao ano e a taxa média de captação, 10,2% ao ano. O resultado é um spread de 27,8 pontos percentuais ao ano, superior aos spreads praticados em outros países.

O Dieese aponta ainda o mercado oligopolizado (os seis maiores bancos controlam 81% dos ativos) como outro fator determinante para o alto custo do dinheiro no Brasil.

Mais informações:
www.dieese.org.br