ACT 2012/2013: PROPOSTA REBAIXADA DA ELETROBRAS REVELA SEU DESCASO COM A CATEGORIA
14 de junho de 2012 | Autor: FNU
Fonte: FNU

A segunda rodada de negociação realizada neste dia 13 de junho, em Brasília, reforçou o conceito altamente negativo que os (as) trabalhadores (as) do Sistema Eletrobras sentem por esta direção, que tem se mostrado incompetente para negociar em base minimante justa os últimos acordos. A contraproposta colocada hoje na mesa de negociação foi no mínimo uma afronta a nossa pauta de reivindicação, pois no campo econômico foi colocado um reajuste de apenas 5,10% ou seja, o equivalente à variação do IPCA acumulado nos últimos 12 meses, com o mesmo índice sendo aplicado aos benefícios.

 

A intransigência foi tamanha que da nossa pauta completa 40% das cláusulas não foram contratadas e 16% ficaram em análise, ou seja, foi o verdadeiro festival do “não”. Até mesmo a cláusula que trata do fortalecimento da Eletrobras foi negada, fato que demonstra a total falta de compromisso com o futuro da Holding.

 

O CNE foi contundente na mesa de negociação e reafirmou que neste acordo não abriremos mão do ganho real, benefícios, PCR, PLR dentre outra conquistas alcançadas no governo Lula e que agora estão sendo negadas a uma categoria que contribuiu decisivamente para que o país se consolidasse como a 6ª economia do mundo, atravessando até mesmo com certa folga a crise econômica internacional.

 

Lembramos a presidenta Dilma, o Ministro de Minas e Energia, Lobão, e os demais ministérios ligados ao setor que somos uma categoria diferenciada, calejada pelas lutas contras as privatizações dos anos 90 e o desmanche que culminou com o apagão. Que tem a capacidade de lutar e se mobilizar em todo país.

 

Foi com essa capilaridade em toda sociedade que ajudamos a eleger o projeto democrático e popular há 11 anos no poder, porém, isso não significa que aceitaremos de braço cruzado o ataque aos nossos direitos, através de acordos rebaixados. Queremos nossa valorização!

 

Reafirmamos nossa disposição de luta por acreditar que não podemos mais pagar o pato com acordos que estão muito aquém do que reivindicamos. Exigimos tratamento igualitário com as outras categorias profissionais que no segundo semestre tem conseguido avançar, especialmente nas cláusulas econômicas.

 

 

Diante da inércia, da falta de compromisso com a defesa dos trabalhadores(as) perante dos órgãos governamentais, a defesa de apadrinhados dentro da holding, o descompromisso com o fim das terceirizações da mão de obra, o descaso com o processo negocial, enfim com a construção de um Sistema Eletrobras mais justo, os seus trabalhadores e as trabalhadoras vão à luta. Não vamos esquecer que o CNE está fazendo uma campanha diferente dos outros anos, buscando a valorização da categoria, entretanto, todos tem que fazer a sua parte, os sindicatos negociando com firmeza e independência e os (as) trabalhadores (as) participando ativamente de todo o processo de luta.

 

É importante lembrar que para campanha ser diferente e vitoriosa, é preciso ter mudança de atitude e postura. Por isso, participe. A luta é de todos e todas!

 

PLR E IMPOSTO DE RENDA

Até o momento não foi anunciado nenhum avanço esperado. E mesmo que a chamada medida provisória seja editada pelo governo, só valerá para nossa categoria na PLR de 2012 que será paga em 2013. Vamos continuar atentos.

 

CALENDÁRIO DE LUTA

-15 a 28 de junho- Assembleias informativas

- 28 de junho- Terceira rodada (Brasília)

- 29 de junho- Assembleias deliberativas