40h: CUT fará "Ocupações Pacíficas do Congresso" em março e abril
25 de fevereiro de 2010 | Autor: DIAP
Fonte: DIAP

As centrais sindicais - CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, CGTB e CTB - intensificam a pressão sobre o Congresso para aprovar a redução da jornada de trabalho semanal.

Há consenso de que a proposta de emenda à Constituição precisa ir a plenário, ao menos em primeiro turno na Câmara dos Deputados, ainda no primeiro semestre deste ano, por se tratar de ano eleitoral.

Por isso, a CUT programa um Dia Nacional de Luta em maio, em que serão realizadas greves, atrasos na entrada de turnos e mobilizações de rua em todos os setores de atividade, como forma de manter o tema na pauta e para mostrar a determinação de todas as categorias em reduzir a jornada sem redução de salários e com remuneração de 75% a mais sobre as horas extras.

Antes disso, haverá mobilizações no interior do Congresso Nacional, as chamadas "Ocupações Pacíficas do Congresso" em março e abril. A organização de cada uma das ocupações ficará a cargo de uma ou mais estaduais da central.

As demais CUTs estaduais, todas mais distantes geograficamente de Brasília, poderão evidentemente se somar às atividades.

Durante as atividades no interior do Congresso, as delegações devem visitar os gabinetes de todos os deputados e deputadas, pressionando pela aprovação da proposta.

A CUT mantém-se irredutível na defesa de dois pontos essenciais do projeto:

1) aumentar o custo da hora extra, como forma de inibi-las, e
2) não vincular a redução da jornada à concessão de novos benefícios fiscais para os patrões - algo que eles querem incluir na discussão. (Fonte: CUT Nacional)

Fica assim o calendário:

Março
1º a 4: CUT-SP e CUT-GO
8 a 11: CUT-MG e CUT-RS
15 a 18: CUT-DF
22 a 25: CUT-RJ, CUT-BA e CUT-CE

Abril
5 a 8: CUT-PR, CUT-SP e CUT-PE
12 a 15: CUT-RS, CUT-MG e CUT-SC
26 a 29: CUT-GO e CUT-DF