População de Parnamirim sofre com apagões
25 de fevereiro de 2010 | Autor: Tribuna do Norte
Fonte: Tribuna do Norte

Interrupções constantes no fornecimento de energia em Parnamirim trazem prejuízos à população, sobretudo nos estabelecimentos comerciais aonde a rotina de trabalho tem sido fragmentada e algumas lojas já contabilizam, entre outros transtornos, danos em equipamentos eletrônicos, insegurança e redução de lucros.

As interrupções no fornecimento de energia têm sido rotineiras desde janeiro e se intensificaram este mês em bairros como Centro, Boa Esperança e Cohabinal, com períodos mais prolongados de apagão, conforme revelam moradores e comerciantes.

O gerente de uma loja de equipamentos de informática instalada há oito anos no centro da cidade, Carlos Henrique Aurélio, explica que nunca houve um período tão intenso de falhas no fornecimento energético. “Somos prejudicados constantemente com quedas de energia e períodos de apagões, sobretudo aqui no centro da cidade e vários equipamentos que comercializamos já foram danificados, além do sistema de refrigeração da loja que não suportou as oscilações e desligamentos repentinos causados pela falta de energia que tem sido freqüente este mês”, revela.

O gerente complementa, ainda, que a falta de energia acarreta, também, na insegurança para o estabelecimento, pois o sistema de vigilância eletrônica, que precisa estar com o servidor central ativo, muitas vezes para de funcionar durante a noite com os apagões, deixando o local vulnerável durante todo o período noturno. E comenta que o estabelecimento, que funciona, também, como lan house, por diversas vezes no mês foi fechado antes do horário usual de término de expediente devido à incapacidade de utilização dos equipamentos, sem energia por um período superior a meia hora e mesmo resguardando computadores com estabilizadores e aparelhos de sustentação temporária de energia, os serviços não podem ser plenamente assegurados nas condições atuais.

Carlos também revela que tem sido constante o pedido, motivado por clientes, para a emissão de laudos técnicos de constatação de peças danificadas, “pois assim nossos clientes pretendem ser ressarcidos de alguma forma, por terem seus equipamentos prejudicados não por mau uso, mas por falhas na energia”, acrescenta.

Já a comerciante Gabriela Moura, proprietária de uma sorveteria no Centro, conta que toda semana tem que lidar com o transtorno de ver o produto que comercializa prestes a se estragar. “O desgelo do sorvete, se for por tempo prolongado, pode acarretar em perda total do produto e já houve períodos de apagões que perduraram das 9h às 14h... quase toda semana enfrentamos quedas ou falta, por meia hora, no fornecimento de energia”, explica.

Conforme relatos de comerciantes e moradores, as falhas no sistema energético destinado a Parnamirim são mais intensas à tarde e a noite e na última terça elas se apresentaram por duas vezes, às 20h55mim e por volta da meia noite, conforme revela a moradora da Rua Primeiro de Maio no bairro Boa Esperança, Francisca Francinete de Lira, 71, que comenta ter enfrentado o problema da falta de luz tanto no centro da cidade como em seu bairro, explicando que está virando um problema infelizmente comum a população  local.

Fatores externos

A Assessoria de Comunicação da Companhia Energética do Rio Grande Norte - Cosern, esclarece que  embora a empresa esteja atenta as denúncias dos usuários quanto as interrupções, os incidentes são efetivamente decorrentes de fenômenos externos que não podem ser previstos ou evitados, como descargas atmosféricas, queimada de terreno baldio nas proximidades da subestação localizada no município, entre outros fatores, que incluem também o incidente de colisão de um carro em um poste. Episódios que condicionam o sistema central a proteger a rede energética, interrompendo o fornecimento de forma rápida, até os reparos serem providenciados.

“As eventuais interrupções se configuram como proteção automática ao sistema de fornecimento, pois por ele ser exposto aos fatores externos como descargas atmosféricas intensas ou, por exemplo, a ação danosa a equipamentos, como a queimada de arbustos  em um terreno baldio nas proximidades da subestação que atende a região, fato recentemente decorrido, a Cosern detecta os problemas e efetiva os reparos, mas o serviço transcorre em sua normalidade”, esclarece o assessor de Comunicação, Helder Vieira.

Helder Vieira esclarece, ainda, que a Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel, que supervisiona todas as sub-estações, não configura as eventuais interrupções como acima do previsto, estando, portanto, suscetíveis de acontecer em qualquer região.

Helder elucida que a Cosern investe em tecnologia avançada, mas ainda assim os fenômenos naturais não podem ser evitados, “relâmpagos podem até ser imperceptíveis ao morador da região, mas nossa rede é extensiva a área rural e uma falha a longa distância também interfere no fornecimento”, acrescenta.

A empresa também deixa claro que já realizou os reparos necessários quanto aos danos de equipamentos provenientes da queimada de arbustos em terreno baldio nas proximidades da subestação de Parnamirim.

“Na última terça-feira as breves paradas de fornecimento foram provenientes da danificação de um poste por colisão de veículo e isto, em perímetro urbano, não se pode prever ou evitar, apenas reparar os danos”, afirma.