Eleições 2010: candidatos do movimento sindical
28 de fevereiro de 2010 | Autor: DIAP
Fonte: DIAP

Atentas à tramitação no Congresso Nacional de proposições de interesse da classe trabalhadora, centrais sindicais estão cada vez mais empenhadas em lançar candidatos ao Legislativo. Temas como a redução da jornada de trabalho e a recomposição das perdas do poder aquisitivo de aposentadorias, de interesse dos trabalhadores, estão nas mãos de senadores e deputados federais.

"Não dá para tratar a relação capital-trabalho só na porta da fábrica. A gente busca melhorias, mas não encontra ressonância (no Congresso)", afirma o deputado federal Roberto Santiago (PV/SP), vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

O parlamentar ressalta que a entidade não incentiva a filiação dos dirigentes a determinado partido - embora as centrais continuem próximas aos partidos de esquerda. "Não existe um incentivo partidário, a central é pluralista. No momento, é para incentivar candidaturas", resume.

Fundada há pouco menos de três anos, a UGT fará o primeiro teste nas eleições de outubro. O presidente da entidade, Ricardo Patah, aponta cerca de 15 pré-candidatos a deputado federal e estadual entre os dirigentes da central.

"Uma democracia só se efetiva se há forças equilibradas que vão ao encontro dos interesses. Por isso, vamos lutar para que nossos candidatos sejam eleitos", argumenta.

Uma das principais críticas de dirigentes sindicais é o desequilíbrio de forças no Congresso entre representantes dos trabalhadores e das demais categorias.

De acordo com o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), 60 parlamentares ligados a causas trabalhistas foram eleitos nesta legislatura - número um pouco abaixo da legislatura anterior (70).

O instituto, cujo objetivo é manter as entidades sindicais informadas sobre propostas em tramitação de interesse da categoria, afirma que o tamanho da classe empresarial, por sua vez, é quatro vezes maior.

"Esse é um movimento dos trabalhadores, e não apenas de uma ou outra central. É claro que há limites partidários (entre as centrais), mas todas estão unidas na defesa da categoria", afirma Vicente Selistre, presidente do Sindicato de Sapateiros de Campo Bom (RS) e vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Selistre é um dos nomes que a central pretende lançar à Câmara neste ano. O sindicalista concorreu nas últimas eleições pelo PSB, mas não teve votos suficientes para garantir uma vaga na Casa. Ex-vereador de Campo Bom, é o primeiro suplente do deputado federal Beto Albuquerque (PSB/RS).

Capilaridade
Segunda maior central sindical no País, a Força Sindical também está empenhada em lançar candidatos. O presidente da entidade, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT/SP), calcula, inicialmente, 10 pré-candidatos à Câmara - o próprio Paulinho da Força tentará a reeleição.

Presente em todas as regiões do país, a estrutura da entidade em estados como São Paulo é capaz de eleger, sozinha, um nome para o Legislativo.

"Com a descentralização da indústria, a força dos sindicalistas cresceu muito", afirma o parlamentar.

Até mesmo a menor entre as seis centrais sindicais tem planos para as eleições em outubro. A Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) quer lançar o nome de dirigentes para as assembleias legislativas em ao menos 12 estados.

Além disso, o tesoureiro da entidade e um dos vice-presidentes são cotados para disputar vaga de deputado federal.

O secretário-geral da CGTB, Carlos Alberto Pereira, afirma que, apesar da baixa representação no Congresso, o movimento sindical ganhou mais espaço no governo do presidente Lula.

"Houve um avanço muito grande em relação ao governo anterior e nós achamos que devemos trabalhar para não haver retrocessos", afirma Pereira.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), maior central sindical do país, preferiu não seguir o caminho das demais entidades.

Em julho do ano passado, a direção nacional da CUT determinou que os dirigentes que assumirem algum cargo ou mandato eletivo, nas três esferas de poder, devem ser afastados da função de dirigente sindical.

O documento defende "a total independência frente ao Estado e autonomia em relação aos partidos políticos".