ELETRICITÁRIOS PARAIBANOS PODEM ENTRAR EM GREVE A QUALQUER MOMENTO
15 de março de 2010 | Autor: Assessoria de Imprensa Sindeletric/PB
Fonte: Assessoria de Imprensa Sindeletric/PB

Na última assembléia realizada pelo Sindeletric para discutir a Participação nos Lucros e Resultados, os eletricitários paraibanos reprovaram, mais uma vez, a proposta imposta pela empresa. A imposição da Energisa-PB pode gerar greve!

 

O direito a PLR está previsto na lei 10.101, mas a Energisa não quer cumprir o que está em lei como direito da categoria. A proposta da PLR apresentada pela empresa não foi estabelecida segundo o que está previsto na norma.

 

O inciso 1º, art 1º, da lei citada acima, diz que os instrumentos decorrentes da negociação deverão constar regras claras e objetivas quanto à fixação dos direitos substantivos da participação e regras adjetivas, inclusive mecanismos de aferição das informações pertinentes ao cumprimento do acordado.

 A lei estabelece ainda que caso a negociação visando à participação nos lucros ou resultados da empresa resulte em impasse, as partes poderão utilizar-se de mecanismos como a mediação e a arbitragem para a solução do litígio.  Nesta terça-feira a direção do sindicato vai procurar o Ministério Público do Trabalho para pedir a intermediação na negociação da PLR 2009.

Essa semana, a empresa divulgou o lucro obtido em 2009, e a Energisa Paraíba e a Borborema representam 58,6% do lucro líquido do grupo. Esse lucro é fruto do trabalho dos eletricitários, mas na hora de dividir a empresa não quer ser justa.

Em 2008, quando a Energisa Paraíba obteve lucro de 101 milhões, a empresa pagou R$ 1.067,00 de PLR aos eletricitários. Em 2009, o lucro foi de 133 milhões tendo um crescimento de 31,8% e na hora de dividir com os trabalhadores quer que seja de 15%, ou seja, uma PLR de aproximadamente R$ 1.220,00.  

Segundo Manuel Henrique, diretor do Sindeletric, a proposta apresentada pela empresa é vergonhosa e diante disso, a diretoria vai realizar assembléias em todo Estado para decidir, junto com os trabalhadores, quando entram em greve.