Calor aumenta consumo de energia
21 de março de 2010 | Autor: Tribuna do Norte
Fonte: Tribuna do Norte

Com a temperatura oscilando entre 25 e 33 graus Célsius em Natal, segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), as pessoas buscam alternativas para fugir do calor, usando aparelhos de ventilação ou ar condicionado.

Em outros casos, como o aposentado Luiz Gonzaga Alves Ferreira, 74 anos, a melhor opção é se refrescar à sombra de uma calçada. “Nem o ventilador dá vencimento dentro de casa”, diz ele, que mora em Santos Reis.

Luiz Ferreira afirma que depois do almoço tenta dormir um pouco - “mas não tem quem aguente o calor” -, por isso, quando é por volta das 15 horas, ele coloca uma cadeira de balanço na calçada da rua Evaristo de Souza, que dá acesso à tancagem da Petrobras, para se refrescar com a brisa que vem da Praia do Forte.

Mesmo à noite, segundo Ferreira, o ventilador é ligado, mas o  calor ainda persiste: “Perturba de todo jeito”, complementou o aposentado, que por conta disso, a conta de luz de sua casa que custava em média R$ 80,00, subiu 40%: “A última conta paguei RR 112,00”.

Toda manhã Ana Clara da Costa, quatro anos, faz o mesmo ritual, quando chega da escola, às 11 horas: senta em frente a televisão para assistir desenho animado ou lendo o livrinho infantil, mas sem abrir mão do ventilador para enfrentar o calor na casa de número 36 da rua Piancó, na Cidade da Esperança. “Ela faz isso todo dia, antes do almoço”, disse a sua avó, dona Severina Zacarias, cuja residência fica do lado sol, à tarde.

O levantamento realizado pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) mostra que o consumo de energia elétrica registrou um crescimento acentuado entre os meses de fevereiro e março de 2009 em comparação com o mesmo período de 2010.

Enquanto o crescimento de fevereiro para março de 2009 ficou em 2,2%, passando de 520 Mw médio para 532 Mw médio, em 2010 o crescimento neste mesmo período foi de 7,3%, ou seja passou de 583 Mw médio em fevereiro para 625 Mw médio, em março. O acréscimo no consumo médio de energia elétrica entre os meses de fevereiro e março de 2009 para 2010 foi mais que o triplo.

 Se for considerado apenas o mês de março deste ano e do ano passado o crescimento no consumo médio é bastante acentuado. Enquanto em 2009 o consumo médio ficou em 532 Mw, em 2010 este consumo médio passou para 625 Mw, que representa um aumento de 17,6% no mesmo período. É importante frisar que os números apresentados representam o crescimento no consumo médio para a primeira quinzena de março.

Em períodos de intenso calor, como no verão, a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) também informa que o consumo de água aumenta consideravelmente, em média, em 700 mil metros cúbicos por mês, o equivalente a 700 milhões de litros consumidos a mais no Estado.

De acordo com a Caern, entre abril e setembro de cada ano, o volume de água consumido oscila entre 6,6 milhões e 6,9 milhões de m³ por mês. Quando chega outubro de 2009, o consumo bateu a casa dos 7,0 milhões de m³, chegando ao recorde de 7,7 milhões de m³ em janeiro deste ano. Em fevereiro, esse número foi de R$ 7,1 milhões de m³.

Caern orienta  como evitar desperdícios

A recomendação da Caern EM épocas de aumento de consumo de água, por causa do verão, é evitar o desperdício, principalmente os gastos com trabalhos desnecessários, como lavar calçadas e carros, além de economizar a água ao tomar banho e escovar os dentas, mantendo as torneiras abertas somente o necessário. Consertar vazamentos em casa também ajuda muito no combate ao desperdício de água.

Para detectar vazamentos em casa, a Caern orienta a população a manter aberto o registro do cavalete, fechar bem as torneiras de casa e não utilizar a descarga do vaso sanitário, fechando completamente as torneiras de bóia das caixas, não permitindo a entrada de água.

A empresa também considera  fundamental observar ainda a leitura do hidrômetro e, após meia hora, sem o uso de água em casa, verificar se ela sofreu alguma alteração, em caso afirmativo, há vazamento no ramal alimentado diretamente pela rede.

“Caso detecte algum vazamento, basta comparecer ao escritório distrital do seu bairro com os seus documentos pessoais e a conta de água para retirar o vazamento”, explica o diretor financeiro e comercial da Caern, Delevam Queiroz.