Quase 60% dos trabalhadores têm jornada de mais de 40 horas semanais
25 de março de 2010 | Autor: Agência Brasil
Fonte: Agência Brasil

Os trabalhadores do setor privado com carteira assinada serão diretamente atingidos pela eventual redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, segundo estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Pesquisa divulgada nesta quinta-feira mostra que 58,6% dessas pessoas trabalham mais de 40 horas por semana.

O estudo diz que a média da jornada de trabalho dos brasileiros é de 40,8 horas semanais, abaixo do limite fixado por lei (44 horas). Contudo, em 2008, 33,7% das pessoas trabalhavam mais de 44 horas por semana e 19,1% cumpriam mais de 48 horas semanais.

Leia também:desemprego sobe para 7,4% em fevereiro, diz IBGE e Cássia Almeida mostra que os rendimentos finalmente recuperaram as perdas de 2003

Outro dado da pesquisa é que os homens trabalham mais horas do que as mulheres. Em 2008, 40,5% das pessoas do sexo masculino tinham jornada de mais de 44 horas semanais, enquanto 24,7% das brasileiras trabalhavam acima do limite legal. O estudo também mostra que 87,8% das mulheres também realizam afazeres domésticos. Para essa atividade, elas mulheres dedicavam 18,3 horas e os homens, 4,3 horas.

Um dos responsáveis pela pesquisa, Jon Messenger, acredita que a redução da jornada para 40 horas semanais ocorrerá de maneira gradual em todo o mundo.

- Tem havido um movimento de um limite legal de 40 horas semanais. Nem todos os países adotaram essa norma. Apenas metade dos países tem uma jornada de 40 horas - afirmou.

Atualmente, 22% da população ocupada em todo o mundo trabalham mais de 48 horas semanais. Essa carga horária resulta em problemas para o empregado.

- Em alguns casos, começamos a ver problemas com a saúde dos trabalhadores e também com a segurança deles - explicou Messenger.

Entre as razões para a jornada de trabalho mais extensa do que o definido em lei é que há empregadores que usam as horas extras para aumentar a produtividade dos trabalhadores, que, por sua vez, precisam passar mais tempo no serviço para garantir melhores salários.

Segundo Messenger, as áreas nas quais os trabalhadores tem as jornadas mais extensas são as de comércio, hotelaria e comunicação.