Estamos nesta luta!!
10 de julho de 2013 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

 Fim do Projeto de Lei 4330 que amplia a terceirização

Fim do Projeto de Lei 4330 que amplia a terceirização: Este Projeto não atende os interesses da classe trabalhadora, pois representa enormes prejuízos com mais precarização das condições de trabalho. O PL permite retrocessos como a terceirização na atividade-fim, fator que autoriza a empresa existir sem qualquer contratado direto. Além disso, prejudica a organização sindical e, portanto, enfraquece a mobilização da classe trabalhadora.

A terceirização é sinônimo de precarização, conforme comprova estudo de 2011 do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e da CUT: o trabalhador terceirizado fica 2,6 anos a menos no emprego, tem uma jornada semanal de trabalho de três horas a mais e ganha 27% menos. Ainda segundo a pesquisa, a cada 10 acidentes de trabalho, oito ocorrem entre terceirizados.

 

Fim do Fator Previdenciário: 

O Fator Previdenciário objetiva levar o trabalhador a permanecer mais tempo trabalhando. Entretanto, nada fez para que o trabalhador tivesse estabilidade no emprego.

As empresas por sua vez aproveitam-se dessa lacuna para, de forma inescrupulosa, exigir que os trabalhadores busquem suas aposentadorias precocemente. Desta forma, muitos tiveram seus vencimentos reduzidos em 40% devido ao Fator Previdenciário. Em outra situação as empresas simplesmente demitem o trabalhador para que os mesmos tenham que arcar com prejuízos e, para sobreviver, terão que concorrer com a juventude na busca de um novo emprego.

Ambas as situações estão ocorrendo com os trabalhadores da COSERN, CELPE e COELBA (todos do Grupo Neoenergia). Desde 2011, estas empresas vêm coagindo verbalmente seus empregados antigos.

 

Jornada de 40 horas semanais, sem redução salarial;

A redução da jornada de trabalho no Brasil para 40 horas semanais sem redução de salários é uma demanda histórica dos trabalhadores. Contrariando os argumentos de uma parcela de empresários mais conservadores, a reivindicação trará grandes benefícios para a sociedade brasileira e os impactos dessa medida na economia deverão ser absorvidos sem traumas.

Alguns argumentos que dão sustentação a posposta de redução de jornada de trabalho sem redução de salários: redução do desemprego, aumento da flexibilização da jornada de trabalho, crescimento da economia e da produtividade do trabalho e  melhoria na Qualidade de vida.

 

Reajuste digno para os aposentados

O reajuste dos benefícios de aposentados e pensionistas é inferior ao concedido para o mínimo, devido à decisão do Governo de desvincular a política de correção das aposentadorias e do piso salarial. Se a política de reajustes dos segurados do INSS continuar desta forma, os aposentados poderão estar recebendo, em poucos anos, apenas o valor do mínimo, mesmo os que se aposentaram com valores maiores.

 

 

 

PARTICIPE DAS MANIFESTAÇÕES E GREVES PARA MUDAR O PAÍS!

O grito que ecoa das ruas por melhorias em saúde, educação, transporte público, segurança, moradia, entre outros, são antigas reivindicações das Centrais Sindicais e dos Movimentos Sociais. Contudo, este é o momento certo para conquistar os avanços necessários para que tenhamos, realmente, um Brasil mais justo e igualitário, com valorização da classe trabalhadora e com melhor distribuição de renda.

A união entre a classe trabalhadora e a população levará para as ruas das cidades brasileiras os maiores atos de protestos do país. Vamos avançar com a pauta das classes trabalhadoras para termos um Brasil melhor.