FNU e CNE fazem ações pelo fortalecimento Sistema Eletrobrás e o pagamento da PLR
28 de maio de 2014 | Autor: SINTERN com informações da FNU
Fonte: SINTERN com informações da FNU

A forte e vitoriosa mobilização dos trabalhadores do Sistema Eletrobras na paralisação dos dias 24 e 25/04, mostrou que todos estão empenhados na luta contra o desmonte da Holding e unidos na busca pelo pagamento da PLR. Essa movimentação deu resultado, pois estão forçando o Governo reabrir o diálogo e deram resultados estratégicos.

Federação Nacional dos Urbanitários e o Coletivo Nacional dos Eletricitários realizaram nos dias 07 e 08 de maio uma extensa agenda de atividades em Brasília, com objetivo de abrir um canal de comunicação com o Governo, para discutir o processo de desmonte por qual esta passando o Sistema Eletrobras, bem como, conseguir a garantia do pagamento da PLR dos seus trabalhadores.

No dia 07 aconteceu reunião no Tribunal de Contas da União. No dia 08 de maio foi realizada audiência com o Ministro de Relações Institucionais , Ricardo Berzoini, onde também participaram os deputados Fernando Ferro (PT-PE) e Jorge Bittar (PTRJ). Ainda no dia 08 de maio a FNU e o CNE estiveram reunidos com os representantes do Ministério de Minas e Energia, Jarbas Matos (Chefe de Gabinete) e Túlio Rizzo (Assessor Especial de Gestão Estratégica.

A CNE advertiu que se não houvesse sido editada da forma que foi a MP 579, a maioria das empresas da Holding daria lucro significativo. E que diante disso, os trabalhadores não podem ser penalizados por uma política de Governo equivocada. Foi reafirmado por diversas vezes que a categoria não abre mão da PLR, um direito legítimo e histórico, conquistado após anos de lutas.

É preciso alertar ainda aos representantes do Governo Dilma que com a saída de mais de 5.000 (cinco mil) trabalhadores das empresas devido ao PDV, a carga de trabalho com certeza irá aumentar. A FNU, o CNE e os sindicatos defendem o concurso público para preencher essas vagas, mas com os mesmos direitos dos atuais trabalhadores.

A busca pelo diálogo não significa que os trabalhadores devam abrir mão da mobilização, pelo contrário, a recomendação da CNE é para que cada companheiro (a) se mantenha atento e mobilizado, pois caso não se avance rumo ao pagamento da PLR, não restará alternativa se não aprofundar à luta, como ocorreu na vitoriosa paralisação dos dias 24 e 25 de abril.

O CNE espera que a direção da Eletrobras se  engaje na busca de uma solução, por isso é importantíssimo que haja uma reunião com toda Diretoria da Eletrobras.

É hora de deixar as diferenças e as vaidades de lado, sentando todos juntos: Governo, CNE e Eletrobras para buscar saídas inteligentes, que não prejudiquem a categoria.

 

 

ASSEMBLEIAS DECIDEM POR PARALISAÇÃO DIAS 28,29 E 30 DE MAIO, CASO NÃO HAJA UMA PROPOSTA JUSTA DE PLR

O CNE juntamente com os sindicatos e os trabalhadores tem histórico de lutas, sempre se mobilizaram nos momentos onde havia ataque a direitos da categoria, foi assim no passado, quando foram realizadas greves históricas. Como em 2013, quando ocorreram fortes paralisações. O momento exige toda a mobilização dos trabalhadores, pois as assembleias já deliberaram por unanimidade que caso não haja uma proposta justa de PLR por parte da direção do Sistema Eletrobras, haverá uma paralisação por 72 horas, de 28 a 30 de maio, em todas as empresas.