APP é alvo de revolta dos trabalhadores
25 de agosto de 2014 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

Mesmo com toda ação do SINTERN, a COSERN resolveu modificar a nomenclatura do extra COI para APP (Atendimento Preventivo Programado). Para tanto, a Empresa contratou um “especialista” para fazer um levantamento das condições de trabalho desenvolvido por cada PA para saber se teriam condições de realizar o serviço dos plantões, além das novas tarefas exigidas ao APP.

A COSERN ao realizar medidas desta natureza deveria posicionar o Sindicato de modo a que se comprovasse ou não a compatibilidade das novas condições de trabalho com a saúde e a segurança dos trabalhadores envolvidos. Porém, o SINTERN de nada foi informado. O Sindicato não sabe quem foi o responsável pelo estudo e se este especialista é um profissional da área, que conviveu com atividades correlatas à aquelas exercidas pelos eletricistas. A entidade Sindical entende que para fazer um estudo desta natureza é necessário envolver além de um especialista em recursos humanos, um médico, engenheiro de segurança, técnico e especialmente eletricistas do ramo, etc. 

Em que se baseou este especialista para atestar que os trabalhadores têm condições de continuar a fazer serviços que deveriam ser das terceirizadas, ou seja, a manutenção preventiva. Será que o mesmo previu que uma equipe que está fazendo APP trocando grampos de linha viva e se, derepente, receber um chamado para atender ocorrência urgente de desligamento de um alimentador a 80Km  de distância de onde  está trabalhando. Vai ter condições de atuar com a mesma presteza e segurança para atender o defeito do alimentador?