CHESF apresenta cenário de CRISE e quer passar a conta para o trabalhador
11 de fevereiro de 2015 | Autor: FNU
Fonte: FNU

Em reunião com a Intersindical/NE, na última sexta feira (06), em Recife-PE, para discussão de pendências do ACT 2013/2015; a direção da CHESF apresentou uma projeção de péssimos resultados para a empresa até o ano de 2023 e não discutiu os itens pendentes.

 

Pela primeira vez, todos os diretores da CHESF compareceram à reunião com a Intersindical/NE, porém não foram para dar boas notícias. A Direção da empresa fez uma longa explanação do cenário de crise, apontando um prejuízo de R$ 40 milhões só para 2015, a fim de dividir a responsabilidade com os trabalhadores.

 

Diante do preocupante quadro de crise financeira, a direção da CHESF aprovou as seguintes alternativas: PIDV de 1.000 chesfianos (500 para 2016 e 500 para 2017) e 100 pessoas em 2022; Orçamento do MSO (Manutenção, Serviço e Operação) 2015 e 2016 igual a 2014, com redução em torno de 16%; Redução de 20% de horas extras, a partir de 2015; entre outras.

 

Sindicatos não aprovam soluções a serem tomadas pela CHESF

 

Diante do cenário apresentado, a CHESF já está mostrando as dificuldades pelas quais os trabalhadores passarão na Campanha Salarial deste ano.

 

A Intersindical se posicionou contra a reestruturação da forma como a Direção da empresa apresentou. Os Sindicatos entendem que, da forma como está, os 20% de corte de pessoal, sem reposição do quadro, representarão mais sobrecarga de trabalho para os chesfianos, além da perda de memória técnica, facilitando a terceirização dos serviços fins na empresa.

 

Direção da CHESF não se importa com opinião dos trabalhadores

 

A Direção da empresa deixou claro que estava expondo o Plano para a Instersindical/NE somente para informar o que será feito, e não para escutar sugestões dos sindicatos.

 

A Direção da empresa ainda disse que a Companhia tem que dar lucratividade, outro ponto que os Sindicatos não concordam, pois a CHESF não tem que dar lucro pelo lucro, mas ser uma empresa saudável para desempenhar seu papel social e de desenvolvimento.

 

A CHESF está nessa situação de crise, hoje, por conta da política do Governo no esforço de reduzir a tarifa de energia e manter a energia do País.

Os sindicatos entendem o atual momento da CHESF, mas afirmam que a solução tem que ser pensada com maturidade e responsabilidade. Por isso, a Intersindical/ NE deixou claro que os trabalhadores não têm culpa da atual conjuntura da empresa e não aceitarão punição por isso.

 

Após muita cobrança dos Sindicatos, a empresa adiantou as respostas sobre a Terceirização, Diárias e a Global Saúde.

 

Terceirização

 

A Intersindical/NE cobrou a relação de contratos de todos os terceirizados que prestam serviços à CHESF. A empresa se comprometeu em apresentar tal relação na próxima reunião.

 

Global Saúde

 

A Global dará solução dos problemas que o Plano apresenta até final de fevereiro, a CHESF apresentará resposta definitiva em março. Todos os trabalhadores que tiverem dificuldades com a Global, devem registrar suas queixas através da ouvidoria e enviar e-mail para a DABE (enviar também cópia de solicitação de reembolso, caso tenha solicitado).

 

Diárias

 

Se o deslocamento for até cinco dias úteis, o trabalhador receberá a diária sem comprovação ou o que for mais vantajoso para a empresa (voucher). Acima desse prazo, o valor será analisado pela Diretoria. Na próxima reunião, dia 17/03, a empresa falará dos demais itens: Mérito/harmonização do PCR; Benefício Mínimo da Fachesf e Desassistência das Subestações.

 

NÃO faça HORA EXTRA para COMPENSAR e SIM para RECEBER

 

Justificando excesso de horas extras, a CHESF cria banco de horas, unilateralmente, para o trabalhador.

 

A Intersindical/NE deixa claro que não existe banco de horas no ACT e os trabalhadores não são obrigados a compensar horas. Se existe a necessidade de desenvolver atividade fora do expediente normal, que seja pago o excedente em horas extras sem compensação.

 

A empresa aposta em ações unilaterais sem se importar com os prejuízos futuros da empresa, pois o banco de horas pode gerar muitas demandas judiciais.

 

A CHESF quer, a todo custo, passar a conta da crise para o trabalhador, mas a Intersindical/NE não vai deixar e, para isso, é necessário que os trabalhadores fiquem alerta

Vamos nos manter em mobilização permanente!! – Não aceite banco de horas! – Procure seu sindicato! – Se mantenha informado! – Entre na luta!

 

Carga horária de operador de subestação

 

Sobre a mudança de carga horária dos operadores por conta da desassistência das subestações, os Sindicatos avisam que o trabalhador não é obrigado a concordar com a mudança.

 

A Intersindical/NE está procurando a empresa para buscar uma saída negocial para esta demanda, evitando prejuízos financeiros para os operadores.

 

Assembleias informativas

 

A partir de hoje (10) ao dia 13/02, estaremos realizando Assembleias Informativas nas unidades de trabalho. Fiquem atentos! Os trabalhadores estão dispostos a enfrentar novos desafios, mas sem pagar a conta!

 

Veja aqui o Boletim da Intersindical FNU/CUT - FRUNE