Trabalhadores estão sem voz e vez nas decisões do Conselho de Administração da Cosern
01 de abril de 2015 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

Em março/2014 foram realizadas eleições para representante dos empregados no Conselho de Administração da Cosern quando foi eleito com ampla maioria de votos Pedro Damásio. Ocorre que o candidato que não logrou êxito interpôs duas ações judiciais: uma na 14ª Vara. na qual foi negada a liminar. Insatisfeito da decisão judicial, o candidato derrotado entrou com uma nova ação a qual foi distribuída para 6ª Vara, onde a magistrada concedeu uma liminar em junho/2014 e, até esta data, não despachou a referida ação. Isto impede a participação do Conselheiro eleito nas reuniões do Conselho de Administração. 

Ressalte-se que o autor da ação, quando era suplente de Pedro Damásio, sempre defendeu que os empregados admitidos após a privatização participassem do processo de escolha do representante dos empregados naquele fórum. No entanto, em virtude do insucesso eleitoral interpôs ações na justiça que só prejudicou a categoria.

A participação de Pedro Damásio nas reuniões do Conselho dava aos trabalhadores(as) tranquilidade por saberem que tinham um defensor aguerrido na defesa dos seus pleitos. Quando o Sintern discutia os objetivos da PLR do ano seguinte, o Conselheiro já havia debatido o assunto com antecedência e informado ao Sindicato que negociava os valores da PLR sem surpresas como as que ocorreram agora. 

Ao contrário dos objetivos propostos para 2014, os de 2015 surpreenderam a direção do Sintern, pois somente em 24/março/2015 os mesmos foram apresentados pela diretora Lady Morais.

Sem dúvida a ausência de um representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Cosern, em muito contribuiu para que os empregados não contassem em sua defesa com um conselheiro abnegado. Os trabalhadores estão desamparados sem voto e sem voz e sabem quem realmente sempre defendeu os seus interesses.

O candidato derrotado na eleição para vaga de conselheiro em março/2014 com sua atitude prejudicou os(as) trabalhadores(as) da Cosern. Nos anos anteriores a categoria contava com a presença do seu representante no Conselho de Administração e, essa representação, embora minoritária, proporcionou conquistas que inegavelmente são reconhecidas pelos trabalhadores(as).