Terceirizados da Cosern entram em greve
06 de abril de 2015 | Autor: Gazeta do Oeste
Fonte: Gazeta do Oeste

Os trabalhadores terceirizados da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN) decidiram paralisar as atividades ontem, 1º, por tempo indeterminado. O número de empregados que prestam serviços para Cosern somam quase três mil trabalhadores em oito empresas contratadas.

 

Durante a manhã, os servidores da empresa B&Q ficaram parados em frente à sede da companhia, no bairro de Cidade Alta. Entretanto, a greve atinge outros municípios do Rio Grande do Norte, como Assu e Mossoró.

 

De acordo com Marcos Silva, o motivo da paralisação é a falta de negociação do reajuste salarial, uma vez que o período de data-base foi em fevereiro deste ano e nunca finalizou a negociação. Além disso, eles querem melhores condições de trabalho para os servidores.

 

“Atualmente, o salário da empresa que trabalhamos é R$ 870,00 por mês e queremos um aumento no salário de R$ 990,00 e um vale-alimentação de R$ 14,00. Algumas empresas terceirizadas já recebem em torno de R$ 1.000,00″, comentou.

 

Os funcionários da B&Q também ainda reivindicam a agregação do veículo, que é o pagamento das diárias dos carros que rondam por todo o Rio Grande do Norte, no qual não há reajuste há mais de quatro anos.

 

A greve vai prejudicar o atendimento do corte de energia elétrica, leitura do medidor de energia e fiscalização.  O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Energética e Empresas Prestadores de Serviços no Setor Elétrico do Rio Grande do Norte (SINTERN), por meio da assessoria de imprensa, disse que outros funcionários das empresas também passam por esse problema.

 

O Sintern pede a unificação da data-base para 1º de fevereiro, combate a práticas antissindicais, fim do assédio moral, reajustes salariais acima da inflação, reivindicação de equipamento de proteção individual e coletiva, pagamento de direitos trabalhistas (FGTS e 13º salário) e conquistas de benefícios.

 

A B&Q chegou a se reunir com representantes da categoria, mas as negociações não avançaram.

 

Procurada pela reportagem da GAZETA DO OESTE, a assessoria de comunicação da Cosern informou que os serviços não foram afetados pela paralisação, o que evita transtornos aos consumidores.

 

O gerente regional da B&Q, William Almeida, também foi procurado pela GAZETA DO OESTE. Ele informou que a empresa mantém contrato com a Cosern desde 1º de novembro, quando concedeu aumento de 2% aos funcionários. A B&Q presta serviços na comercial e técnica da companhia energética. Segundo ele, os trabalhadores já haviam recebido um acréscimo em agosto quando ainda integravam os quadros de outra empresa, posteriormente sucedida pela B&Q.

 

“Desde novembro, já tivemos cerca de oito reuniões com os representantes da categoria, buscando um reajuste viável para os trabalhadores. Agora, oferecemos um acréscimo de 8,97%, percentual que está acima das condições do país, mas ele rejeitaram a proposta em assembleia”, disse o gerente, que acrescentou que a greve é parcial .

 

De acordo com William, os municípios de Mossoró e Assu não estão sendo prejudicados pela paralisação, uma vez que a greve estaria concentrada apenas em Natal. (Com informações do Portal No ar)