Dia 20 vai às ruas quem tem proposta e quer democracia
19 de agosto de 2015 | Autor: Com informações da CUT
Fonte: Com informações da CUT

A CUT e os movimentos sociais que promovem atos em todo o país no dia 20 de agosto querem uma nova agenda para o Brasil. Não confundir, porém, com a Agenda Brasil, apresentada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no dia 10 de agosto.

 

Entre as propostas da Agenda Brasil estão a “regulamentação do ambiente institucional dos trabalhadores terceirizados para melhorar a segurança jurídica em face do passivo trabalhista potencial”, revisar a legislação de licenciamento em zonas costeiras, simplificar procedimentos de licenciamento ambiental e revisar marcos jurídicos que regulam áreas indígenas.

 

Constam ainda a ampliação da idade mínima para a aposentadoria, mediante estudos e “aperfeiçoar o marco jurídico e o modelo de financiamento da saúde”. Em outras palavras, fazer com que o SUS (Sistema Único de Saúde) deixe os princípios de equidade, universalidade e integralidade e passe a ser pago de acordo com a faixa salarial.

 

Conforme destaca o presidente da CUT, Vagner Freitas, todas  as propostas com o verniz de apoio ao desenvolvimento e à retomada do crescimento, mas, que, na prática, atacam conquistas da sociedade brasileira ao abrir brechas para a regulamentação da terceirização sem limites e a ocupação de terras sem parâmetros como o respeito ao meio-ambiente e a populações indígenas,  

 

Segundo ele,  neste momento em que setores conservadores e empresários aproveitam a crise para enfiar retrocessos por baixo da porta dos trabalhadores, os movimentos sindical a sociais devem comprar o debate sobre a qual agenda o governo da presidenta Dilma Rousseff deve abraçar.

 

Assim, aponta Vagner, os atos do dia 20 são um momento fundamental para discutir com a sociedade brasileira o caminho a seguilr. “O ato é pelos direitos, contra a direita e de defesa da classe trabalhadora. Chegou a hora de virar a página, acabar com esse terceiro turno, minar completamente o desejo pelo golpe de quem perdeu as últimas eleições. Quem vai às ruas no dia 20 tem proposta, quer democracia e que o Brasil retome uma conjuntura de criação de emprego e renda”, apontou.

 

Vagner disse ainda que a ideia é aglutinar pessoas que não se sentem representadas por mobilizações que evocam o ódio, a intolerância e a divisão.

 

“Neste dia 20 sabemos bem o que queremos e precisamos. Precisamos que a conta da crise não tenha como fiador o trabalhador e defendemos reformas estruturais. Passou da hora de fazer uma reforma agrária no Brasil, a reforma tributária, taxar as grandes fortunas, termos um novo marco regulatório para a comunicação para democratizá-la. E, claro, defendermos a Petrobras e o pré-sal, que financiará mais investimentos em educação e saúde. A intolerância e a Agenda Brasil só interessa aos golpistas e a quem financia o golpe, dentro e fora do Congresso”, acrescentou.

 

Respeito aos espaços de negociação – O presidente da CUT alerta ainda que qualquer reforma deve passar pelos espaços que a Central, governo e empresários integram e que a classe trabalhadora não aceitará negociar em cima de uma agenda unilateral definida pelo Congresso.

 

"Não faz sentido o governo lançar um Fórum de Debates sobre Políticas de Trabalho, Renda, Emprego e Previdência, que terá sua primeira reunião em setembro, e definir uma pauta baseada num programa que não contou com a contribuição de qualquer trabalhador. Não basta a presidenta receber os movimentos sindical e sociais, como fez no dia 13, se não houver uma agenda de negociação conosco. Esse é nosso papel no dia 20, pressionar para reequilibrar essa relação”, disse.

 

Em Natal/RN a concentração será realizada no dia 20/08, às 15h, em frente à IFRN (Salgado Filho, Natal/RN). Participem!