INTERSINDICAL PARTICIPA DA 1ª REUNIÃO DE DISCUSSÃO DA PAUTA UNIFICADA DO ACT 2015/2016
22 de outubro de 2015 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

A Intersindical Neoenergia participou na terça-feira, dia 20, no Rio de Janeiro, da 1ª rodada de negociação com a direção do Grupo Neoenergia. Na oportunidade foram discutidas todas as cláusulas da pauta unificada, a Diretora de RH do grupo Neoenergia, Lady Moraes, ficou de responder na próxima reunião agendada para os dias 10 e 11 de novembro de 2015, no Rio de Janeiro. Estiveram presentes representando os trabalhadores os companheiros Pedro Damásio (SINTERN), André Monteiro (SINDURB-PE), José Fernandes (SINTERN), Elton Barbosa (SINDURB-PE), José Santos da Paixão (Sinergia-BA), Gustavo Teixeira (Técnico DIEESE- Subseção FNU) e Renan Costa (Assessor de Comunicação da FNU). 

Ao iniciar a reunião a Intersindical reafirmou suas críticas sobre o assédio moral que vem sendo praticado pelo Grupo Neoenergia, através de campanhas de comunicação interna. Para a Intersindical é lamentável o uso destes artifícios para pressionar e intimidar a luta dos trabalhadores. Como é possível uma empresa desse porte adotar práticas antisindicais, se utilizando do seu Jornal direcionado a categoria. Basta ler as tirinhas para constatar seu conteúdo perverso, de colocar o trabalhador na posição de escolher entre o seu emprego e a luta por melhores salários e benefícios.    

   A Intersindical e os sindicatos estão mobilizados para barrar essa prática nefasta do Grupo, conversando com os trabalhadores sobre a importância de se participar da luta e da mobilização para conseguir avançar em novas conquistas.  

Não há dúvidas que existe uma crise no país, mas que está sendo superdimensionada pela direção do Grupo Neoenergia, com o objetivo claro de barrar as reivindicações dos trabalhadores. Pois existem números que apontam que há condições para se chegar a um acordo justo, como a distribuição de quase 240 milhões em dividendos, houve também um crescimento do mercado de energia em 2014 com o consequente aumento do número de consumidores e da energia distribuída. É importante destacar também outro dado fundamental:  o aumento do lucro no 2º trimestre de 2015 foi maior que no 2º de 2014.

Os números não deixam dúvidas que o Grupo Neoenergia, a despeito do discurso dos seus diretores sobre a crise no setor, conseguiu avanços. Basta ter vontade de negociar e reconhecer o esforço feito pelos trabalhadores para que os números sejam positivos.

A Intersindical não vai admitir que os trabalhadores sejam penalizados pela “chamada crise” do setor elétrico. Por isso, não vai abrir mão de um acordo justo, condizente com o empenho de cada companheiro.  Portanto, é hora de mobilização em cada empresa do Grupo Neoenergia.