Negociações reduzem impacto de reajuste no Plano de Saúde
17 de junho de 2016 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

Mesmo diante da controversa envolvendo o PADE, as negociações dos contratos da Unimed tiveram êxito na redução do impacto do reajuste para os ativos e assistidos. No geral a média do reajuste ficou muito abaixo do que vinha sendo proposto pelo Plano de Saúde e inferior a inflação acumulada no mesmo período de aferição dos contratos.

Em média o reajuste pleiteado pela Unimed era de 16%. Apenas no contrato 3770 o índice reivindicado pelo plano de saúde chegava a 44,49%. Este índice foi reduzido para 19,5%.

Com exaustivas negociações, o reajuste ficou estabelecido em 9,35% com retroatividade a março deste ano. O mesmo percentual também foi aplicado ao contrato PADE que envolve 400 usuários. Para estes a COSERN resolveu de forma unilateral implantar a partir de julho o sistema de cobranças por faixas etárias. Esta cobrança  é injusta, pois penaliza estes assistidos o que o SINTERN não concorda.

Atualmente são sete contratos negociados entre a COSERN/SINTERN/FASERN com a UNIMED. São eles:


A diferença de março a maio dos contratos que não foi cobrada será paga a partir de junho em três parcelas nos meses de junho, julho e agosto. No contrato dos empregados e aposentados do PADE não houve reajuste da coparticipação em consultas eletivas (R$12,00) e urgência e emergência (R$18,00).