Trabalhadores não aprovam sistema de academias propostas pela COSERN
13 de setembro de 2016 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

O SINTERN alerta que a COSERN só tem prejudicado os trabalhadores com modificações na prestação do serviço executado pelas academias conveniadas aos seus empregados. O serviço proposto pela Empresa não satisfaz as necessidades dos trabalhadores.

Histórico - Quando problema foi levado a COSERN na pauta de negociação ACT 2014/2015, o pleito era de que a Empresa instalaria até o dia 30 de junho de 2015 uma academia para que seus empregados realizassem exercícios físicos antes do expediente da manhã e após expediente da tarde. Caso a COSERN não instasse a academia até a data aprazada, pagaria integralmente a mensalidade de academia particular.

Ao final da negociação daquele ACT, a COSERN solicitou a não inclusão desta cláusula, entretanto assumia o compromisso de pagar R$ 62,00 por empregado que utilizasse academia.  A COSERN, como sempre visando o lucro, não reajustou este valor por dois anos, apesar das cobranças do SINTERN.

A COSERN convocou, no mês de julho, a direção do SINTERN para explicar as modificações que estava procedendo em relação a academia para os trabalhadores. A Empresa informou que novo sistema seria adotado com a participação de um novo agente contratual que coordenaria a prestação de serviço de academias dentro e até fora do Estado para uso dos trabalhadores. Esta nova modalidade de serviço prestado independe do nível das academias, porém representa um custo mensal R$ 30,00 para cada trabalhador que se inscrever no novo sistema.

Agora o que era gratuito passa a ter custo para o trabalhador. Mais uma vez a COSERN tenta impor medidas para repassar despesas para os trabalhadores.

O aspecto a ser considerado no caso é o que a COSERN, nas condições anteriores pagava R$ 62,00 por empregado usuário e, por neste novo sistema, o empregado da Empresa terão que pagar uma taxa de R$ 30,00. 

O SINTERN recomenda aos trabalhadores que busquem informações de usuários de outras empresas do sistema proposto pela COSERN, inclusive requisitando a presença deste grupo para retirar todas as dúvidas antes de assinar qualquer contrato, que gere onerosidade para o empregado.

A COSERN precisa disso para aumentar seus lucros? 

Aonde encontra-se a ética da COSERN? 

Acorda GRP!