COSERN precisa dizer a que veio na mesa de negociação
20 de outubro de 2016 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

A bancada patronal finalizou na segunda rodada de negociação, realizada no dia 20/10, e sem discutir as 80 cláusulas constantes na pauta de reivindicações dos trabalhadores para o Acordo Coletivo de Trabalho de 2016/2017. Realizaram este feito sem apresentar uma única proposta que atendesse os anseios da categoria. Com esta forma desrespeitosa de negociação, a comissão dos trabalhadores reafirma que, sem a Empresa atender a pauta dos cosernianos, não haverá avanço nos debates que, aliás, em anos anteriores, na terceira rodada, já havia diversas clausulas consensuadas.

Muitas das cláusulas discutidas à exaustão pela representação dos trabalhadores foram minimizadas pela bancada patronal que afirmaram se tratar de “problemas pontuais” que não precisavam estar inclusas em Acordo Coletivo. Hora vejam, a razão dessas demandas estarem na Pauta é justamente pelo desrespeito e descaso da COSERN pelos seus empregados. Daí não basta a representação patronal colocar na mesa de negociação “manter o Acordo Coletivo” ou mesmo “retirar da pauta”. Não é assim que esta negociação vai lograr êxito.

Assistência ao acidentado, Função Cumulativa, Serviço Extraordinário, Adicional Noturno e tantas outras reivindicações discutidas no dia de hoje não podem ficar em segundo plano e sem respostas que traduzam o excelente momento vivenciado pela COSERN e pelo Grupo Neoenergia, com alta lucratividade e produtividade expostas nos objetivos corporativos. Como a Empresa pode encarar seus ditos “colaboradores” depois de tentar impor a EXCLUSÃO de cláusulas tais como: Gratificação do COI, Participação dos empregados nas reuniões da CIPAS, Extinção das APP’s, Adicional Noturno, Fiscalização, dentre tantos outros. Este não é o reconhecimento esperado pelos trabalhadores que com dedicação e responsabilidade fazem com que a COSERN ganhe, todos os anos, diversos prêmios a nível nacional. Será esta a realidade condizente com a posição da Empresa que está entre as 30 melhores para se iniciar uma carreira e trabalhar? 

Como é constatada a cada negociação, a lógica do patrão não é condizente com a do Sindicato. Esta situação ficou muito evidente quando se discutiu o Fim da Terceirização. A bancada patronal desconhece as mazelas de toda ordem que afligem os trabalhadores das empreiteiras, tais como as péssimas condições de trabalho, direitos trabalhistas desrespeitados, assédio moral e atrasos de salários. Isso porque a Empresa objetiva apenas a prática da mais valia, ou seja, a exploração da mão de obra com baixos custos com o objetivo de maximizar os lucros. 

Para evidenciar esta situação, a bancada dos trabalhadores lançou um desafio: levar o gerente do Departamento de Recursos Humanos da COSERN ao interior do estado, vestido como um sindicalista, para vivenciar a dura realidade das condições do ambiente laboral e ouvir as reivindicações dos trabalhadores terceirizados. O desavio foi aceito! Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos!

Diante do descaso, a comissão de trabalhadores convoca os cosernianos para assembleia em frente ao prédio da sede da COSERN para a próxima terça-feira, dia 25/10, às 8h. É necessário que a categoria mostre que está unida e mobilizada para lutar pelos seus direitos e conquistas. Os trabalhadores exigem respeito na mesa de negociação. Vamos à luta companheiros!