Em defesa da categoria, Intersindical Neonergia realiza primeira reunião com direção da holding
26 de janeiro de 2017 | Autor: Intersindical Neoenergia
Fonte: Intersindical Neoenergia

Já em janeiro, lideranças sindicais iniciam debates de temas importantes para os trabalhadores do grupo. PLR, PCCS, reestruturação nas empresas e Fundações foram os principais itens discutidos no encontro

Com objetivo de antecipar as discussões sobre as principais demandas dos trabalhadores do grupo Neoenergia, a Intersindical se reuniu na última quarta, 25, em Natal, com a diretora de RH da holding, Eunice Rios, e os representantes das empresas. Este é o primeiro encontro formal com a diretora em 2017, fruto da articulação das lideranças, visando a defesa dos interesses dos eletricitários da Celpe, Cosern e da Coelba.  Nesta reunião, os companheiros José Fernandes, Pedro Damásio e Liane Matoso, representaram o Sintern. Elton Barbosa, Pompeu Henrique e Josenildo Rodrigues, pelo Sindurb. Já o Sinergia foi representado pelos diretores José Paixão e Paulo de Tarso.

Durante o encontro com a diretora, os dirigentes realizaram uma explanação dos pontos que seriam necessários de negociação com a holding, definindo como pauta da reunião: PLR/2016, Fundações, PCCS (acompanhamento e desdobramento do acordo coletivo 2016/2018), além da questão da reestruturação das empresas.  Sobre a PLR, a Intersindical avaliou como fundamental ajustar a metodologia da distribuição. Os dirigentes sindicais consideram necessário corrigir algumas regras para tornar mais justa a distribuição. “Estas mudanças evitam penalizar os trabalhadores por fatores alheios ao seu controle. É preciso superar os limites atuais dos objetivos e das metas. Isso vai resultar num processo de ganho mútuo”, destacou, durante a reunião, o coordenador da Intersindical José Fernandes.

Em resposta, a diretora informou que há dificuldade em realizar mudanças significativas na metodologia para o pagamento da PLR de 2016. Contudo, considera necessário fazer alguns ajustes para a próxima PLR. Como encaminhamento, aceitou a sugestão da Intersindical de compor uma comissão paritária, com perfil técnico, para discutir e definir as propostas para serem levadas à análise no conselho de administração.

Questionada sobre os resultados, a diretora  não informou os números finais, já que não foram auditados os resultados dos objetivos. Contudo, a Intersindical avalia que a perspectiva é de um excelente resultado no geral, se forem mantidas as projeções dos três primeiros trimestres do ano.

A intersindical solicitou, ainda, a antecipação do pagamento da PLR/2016, mas a diretora informou que é necessário aguardar a auditoria dos resultados para proceder o pagamento, comprometendo-se, entretanto, em realizá-lo logo no início de abril, após a assinatura do acordo com os sindicatos.

Fundações – PCCS e Reestrutução nas empresas

Fundações – Com o objetivo de evoluir nas questões relativas às Fundações das empresas, os dirigentes da Intersindical informaram que os membros da comissão que vão discutir essa temática serão: Liane Matoso, da Cosern; Pompeu Henrique, da Celpe e Antônio Guedes, da Coelba.

Ainda sobre as Fundações, os representantes dos trabalhadores irão tentar ampliar os debates sobre ajustes específicos de cada Fundação. “Esperamos que a direção do Grupo tenha sensibilidade para corrigir os itens que consideramos prioritários nas discussões das nossas Fundações. Afinal, elas representam a tranquilidade do nosso futuro”, ressaltou Pompeu Henrique, do Sindurb. Ficou definido que a reunião desta comissão será no próximo dia 14/02, em Natal.

PCCS – A avaliação dos dirigentes sindicais é que não há critérios claros para promoções e outras evoluções profissionais nas empresas. Sem a perspectiva de avanço na carreira, muitos trabalhadores saem para outras empresas e levam todo o acúmulo técnico. “Defendemos uma verba específica que assegure um plano de cargos justo. Atualmente, os trabalhadores evoluem apenas quando garantem reajustes conquistados pelos sindicato nas negociações. Precisamos evoluir nesta questão”, ressaltou o diretor do Sinergia Paulo de Tarso.

Diante da cobrança da bancada sindical, a diretora da Neoenergia garantiu que haverá uma política mais efetiva neste sentido. Ficando assegurado uma reunião da comissão para o dia 06/02, em Recife.

A mesma comissão irá evoluir nas discussões sobre a PLR 2017. Reestruturação – Com o claro objetivo de maximizar ainda mais o lucro das empresas, o grupo Neoenergia impõe a reestruturação nas companhias, que obriga os trabalhadores serem remanejados para outras localidades. Via de regra, essas mudanças são impostas e sem haver condições de o trabalhador se enquadrar na nova realidade.

Os dirigentes alertaram, entre outras questões, que a política de transferência não pode ignorar as situações específicas de cada trabalhador. Para Elton Barbosa, neste processo há diversos casos de assédio, além de ameaças de demissão e outros tipos de patrulhamento. Diante das cobranças dos dirigentes sindicais, a Diretora Eunice Rios se comprometeu em acompanhar estas situações e assegurou que este processo será realizado levando em conta todos os fatores levantados pelos dirigentes.

Avaliação da Intersindical

Os dirigentes avaliaram como positivo o encontro com a diretora. “Estas questões estão afligindo os trabalhadores e é fundamental garantirmos soluções favoráveis para toda categoria. Esperamos que o compromisso assumido pela direção da Neoenergia seja respeitado”, frisou José Paixão, diretor do Sinergia.

A Intersindical entende que as comissões de PLR/PCCS e de Fundações têm um papel fundamental para a defesa dos nossos interesses. Os sindicatos estão atentos e vigilantes para assegurar o resultado positivo dessas discussões. A Intersindical é o melhor instrumento de luta para os trabalhadores do grupo alcançarem as vitórias! Juntos somos mais fortes!

Agenda
06/02 – Em Recife *Reunião da Comissão de PCCS e PLR
14/02 – Em Natal *Reunião da Comissão de Fundações