Novembro azul: cuidar da saúde também é coisa de homem
07 de novembro de 2017 | Autor: Assessoria de Comunicação do SINTERN
Fonte: Assessoria de Comunicação do SINTERN

O mês marca as campanhas de conscientização sobre a doença, uma das que mais afetam a população masculina. A comunidade é chamada para um diálogo franco e aberto a respeito do câncer de próstata

 

A iniciativa que partiu de um grupo de amigos reunidos em um pub, na Austrália - empreender uma campanha contra o câncer de próstata -, se espalhou pelo mundo e vem ajudando, em muito, a população masculina. Assim surgiu o Movember, junção entre os termos mustache (bigode, em inglês) e november, que chegou ao Brasil como Novembro Azul, no fim dos anos 2000. 

 

Aqui, a campanha começou a ganhar notoriedade por meio de instituições privadas e públicas comprometidas em realizar ações que objetivam informar e conscientizar a população sobre a importância dos cuidados com a saúde do homem e com a detecção precoce da doença - o câncer mais comum e a segunda maior causa de morte por câncer entre eles.

 

A opinião de quem já passou e superou a doença tem razão de ser: segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 1,2 milhão de novos casos de câncer de próstata ocorrem anualmente no mundo, gerando a expectativa de mais de 335 mil óbitos no mesmo período (segundo dados de 2013, que revelam aumento em relação a 2012 de 9,7% e 9,2%, respectivamente). No Brasil, a estimativa é chegar ao fim de 2017 com 61,2 mil casos novos e cerca de 13.772 óbitos, o que significa que é o segundo tumor que mais mata os homens no país, perdendo apenas para o câncer de pulmão. 

 

A boa notícia é que a população está, sim, mais informada e consciente, muito em função da campanha Novembro Azul, que prevê ações durante todo o mês e em especial no dia 17, data marco para o combate à doença. Para este ano, inúmeras atividades serão realizadas numa tentativa de diminuir as estatísticas. Uma delas é a distribuição da cartilha Câncer de próstata: precisamos falar sobre isso, desenvolvida pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA). Outra notícia positiva vem da inovação tecnológica que traz novos recursos em diagnósticos e em alternativas menos invasivas para o tratamento da doença, inclusive com o auxílio da robótica nas cirurgias. 

 

Sintomas 

 

Em fase inicial, o câncer da próstata tem uma evolução silenciosa. Por isso, muitos homens não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata, também chamado de HPB. No entanto, quando alguns sinais começam a aparecer, 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. Confira aqueles suspeitos, que merecem uma consulta ao médico: 

 

» A sensação de que sua bexiga não se esvaziou completamente e ainda persiste a vontade de urinar 

» Dificuldade de iniciar a passagem da urina 

» Dificuldade de interromper o ato de urinar 

» Urinar em gotas ou jatos sucessivos 

» Necessidade de fazer força para manter o jato de urina 

» Necessidade premente de urinar imediatamente 

» Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo dos testículos) 

» Problemas em conseguir ou manter a ereção 

» Sangue na urina ou no esperma (esses são casos muito raros) 

» Dor durante a passagem da urina, quando ejacula ou nos testículos 

» Dor lombar, no quadril ou nos joelhos 

» Sangramento pela uretra