A necessidade de reforçar a luta em 2018
22 de dezembro de 2017 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

O ano de 2017 não vai deixar saudades. A Classe Trabalhadora Brasileira foi vítima do maior ataque da história aos seus direitos. Foi um duro golpe orquestrado por setores retrógrados do Congresso Nacional que foram patrocinados pelos patrões com todo a apoio da mídia tradicional. 

Terceirização sem limites, entrega do patrimônio nacional através da venda subvalorizada das estatais, concessões lesivas dos recursos naturais como ocorreram nos leilões do pré-sal e a reforma trabalhista que retirou direitos e conquistas dos trabalhadores. No ano quem vem este pacote de maldades terá continuidade com o esforço do Governo Temer em aprovar a Reforma da Previdência na qual acaba com as aposentadorias dos trabalhadores.

Se retirou direitos e conquistas pela falácia de que as medidas eram necessárias para o país sair da crise quando na verdade precarizou as condições de trabalho, empobreceu a população e, além de não gerar empregos, vai produzir uma legião de trabalhadores que terão que viver do “bico”, ou subemprego, para sobreviver.

Os dias são sombrios e difíceis, mas maior deve ser nossa união, mobilização e determinação para vencer mais este momento de dificuldade de nossa história. Vamos lutar pelos nossos direitos e conquistas sejam preservados nas ruas, assembleias ou na mesa de cada negociação coletiva.

Tudo o que conquistamos veio do esforço de uma luta persistente e em 2018 não será diferente desde que cada trabalhador também faça a sua parte. Somos uma unidade tão forte quanto a nossa capacidade de organização e de luta. No ano que vem precisamos renovar nosso espírito de luta de enfrentar os desafios pelos nossos direitos, para honrar nosso trabalho e dignificar nossas famílias.

Que no Natal, o nascimento do Cristo,  possa encher nossos corações de esperança, de amor e fraternidade. Que em 2018 possamos revigorar nossa disposição de luta pelos nossos ideais.

 

 

José Fernandes de Sousa

Presidente do SINTERN