Intersindical discute pendências com a direção da NEOENERGIA
27 de abril de 2010 | Autor: Intersindical Neoenergia
Fonte: Intersindical Neoenergia

A Intersindical Neoenergia se reuniu com a Diretora de Gestão de Pessoas da holding, Lady Morais, na última quinta-feira, 15, no Rio de Janeiro. O encontro teve por objetivo discutir assuntos pendentes da última campanha e da distribuição da PLR/2010. Pela Intersindical participaram Paulo de Tarso (Sinergia), José Fernandes e Pedro Damásio (Sintern), além de André Monteiro (Sindurb). Os respectivos superintendentes de gestão de pessoas que estavam presentes foram Antônio Gordilho (Coelba), Carnaval (Cosern) e Texeira (Celpe), assim como as assessorias das empresas.

 

EXTENSÃO DA GARANTIA DO EMPREGO


 

A Intersindical cobrou da diretora um compromisso assumido por ela durante as negociações da campanha salarial/2009, de defender junto ao Comitê de RH (representações do Conselho de Administração da NEO) a ampliação da garantia de emprego para 36 meses. Segundo Lady, o Comitê não aceitou nosso pleito, porém solicitou da diretora uma pesquisa no mercado sobre o tema, o qual voltará a ser discutido na próxima reunião do próprio Comitê, em junho deste ano. A Intersindical intensificará as ações de luta na categoria, com o objetivo de pressionar e demonstrar o quanto esse tema é importante, principalmente para os trabalhadores mais antigos.

 

Plano de Cargos Carreiras e Salários (PCCS) -
Na oportunidade, a Intersindical denunciou a situação dos profissionais das empresas nos últimos  cinco anos. Estes estão sem perspectivas e sem qualquer mobilidade em suas funções, prova disso é a saída dos empregados mais novos, além do desestímulo generalizado. Alguns, como os engenheiros e os administradores, conseguem o paliativo do piso profissional, a depender da legislação específica de cada carreira, mas que também iguala os salários dos novos com os mais experientes. A Neoenergia confirmou o que os sindicatos denunciaram pelos resultados das pesquisas do Clima Organizacional. De acordo com a diretora, a holding está contratando uma empresa do mercado para revisar o plano existente e, assim, realizar análise de melhorias salariais. A Intersindical ainda registrou que uma empresa que é considerada pelo maior acionista, a Previ, como exemplo de eficiência do mercado de energia não pode tratar seus empregados com descaso.

 

Limite orçamentário nas campanhas salariais - A Intersindical levou para a Neoenergia, antecipadamente, que não pode mais acontecer o que vivenciamos nos últimos anos, ou seja: a empresa aprova seu orçamento e isso serve de justificativa para não conceder melhorias salariais e de benefícios durante as negociações. "É normal que as empresas se planejem, mas o que estamos presenciando é provisionamentos não atingido limite máximo e, desta forma, retornando para os bolsos dos acionistas, como a verba destinada para manutenções preventivas", frisou Paulo de Tarso.

 

Outro exemplo citado pelo dirigente que retrata esta situação foi o fato do sistema elétrico ter desabado com as chuvas na Bahia, o que não era para acontecer. "Eles não arrumaram recursos urgente para aumentar as turmas de manutenção, operação e atendimento? E os eletrodomésticos que se danificaram, não terão que pagar ao consumidor? Enfim, exigimos respeito no tratamento das questões dos trabalhadores, afinal são eles que vêm proporcionando esses lucros magníficos das empresas do grupo", destacou.

 

Participação nos Lucros e Resultados (PLR) -
A Neoenergia colocou sua intenção de discutir a PLR dos trabalhadores daqui para frente. Porém, seus estudos ainda não estavam concluídos. A Intersindical afirmou que tudo é passivo de discussão, menos o que venha reduzir as conquistas e o dinheiro dos trabalhadores. Se vamos discutir PLR temos quer nos debruçar sobre tudo a respeito do tema, inclusive sobre os objetivos corporativos que os sindicatos nunca foram chamados para opinar. Diante disso, a Intersindical já está se preparando com a assessoria do Dieese para discutir a questão.

 

JUNTOS SOMOS FORTES!

 

Intersindical Neoenergia

Sindurb

Sinergia

Sintern