Em busca de melhores salários, funcionários da Cosern ameaçam greve
25 de novembro de 2010 | Autor: Tribuna do Norte
Fonte: Tribuna do Norte


Publicação: 23 de Novembro de 2010 às 09:11

Os servidores de carreira da Cosern estão realizando, na manhã desta terça-feira (23), um ato público para cobrar melhoria salarial. Os funcionários pedem reajuste de 16%, enquanto a proposta da empresa foi de 5,39%. Caso não cheguem a um acordo, os trabalhadores podem decidir pela paralisação.

Com aproximadamente 200 funcionários reunidos em frente à sede da Cosern, os trabalhadores argumentam que a proposta da direção da companhia não atende às expectativas da categoria e que é pouco superior ao reajuste concedido em 2009, quando obtiveram melhoria salarial de 4,78%. No entanto, eles argumentam que o ano passado foi de crise e os trabalhadores entenderam a necessidade de abdicar de um percentual de reajuste maior.

"Para se ter uma ideia, a Cosern, só nesse ano, teve um lucro líquido de R$ 250 milhões. É possível conceder um aumento melhor. Ano passado, quando houve a crise, entendemos a situação da empresa", explicou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Elétricas e Empresas Prestadores de Serviços no Setor Elétricos e Similares do RN, José Fernandes.

Ainda segundo o sindicalista, a direção da Cosern vem tentando barrar os movimentos dos funcionários para a melhoria salarial. "Hoje colocaram até uma caçamba para recolher entulho aqui onde costumamos fazer as mobilizações", acusou José Fernandes.

Como o impasse persiste, a intenção do sindicato é continuar com as mobilizações semanais até que a proposta da Cosern melhore. Está agendada para a quarta-feira (24) uma reunião entre a direção da companhia e o sindicato, onde haverá nova tentativa de acordo. Caso não ocorra, os funcionários poderão iniciar uma paralisação.

"Estamos mobilizando a categoria semanalmente e se (a Cosern) não chegar a um valor que a categoria entenda que corrsponde ao que ela deseja, teremos que fazer a paralisação", disse José Fernandes.

 

Click aqui para ver a notícia