Trabalhadores partem para o enfrentamento
03 de dezembro de 2010 | Autor: Direçao do SINTERN
Fonte: Direçao do SINTERN

As novas formas de mobilização objetivam provocar situações impactantes capazes de trazer a mídia, as autoridades e a própria sociedade para intervir na defesa de um melhor tratamento para com aqueles que são responsáveis pela garantia da manutenção do sistema elétrico no estado.

    A COSERN não tem disposição em avançar nas negociações para recompensar os trabalhadores conforme eles merecem. Assim, não resta alternativa que não seja buscar toda e qualquer condição que possa trazer resultados satisfatórios.

    As atitudes insensatas e mesquinhas da Empresa se espelham nas contra-propostas oferecidas pela mesma objetivando atender os pleitos da pauta de negociação. Isso demonstra a inconcebível e distorcida visão dos patrões de não reconhecer nem dar o que merece aos que produzem seus lucros.

    A COSERN também precisa refletir que toda agressividade dos encaminhamentos da Campanha Salarial se embasam nos seus posicionamentos equivocados. A Empresa necessita urgentemente adotar ações capazes de quebrar suas arestas com os trabalhadores. Isso passa por deliberações que visem melhorar o atual clima de insatisfação da categoria.

    Nosso entendimento é de que não poderiam obstruir a negociação. A fórmula para solucionar as divergências sem a interveniência de terceiros é enfrentar a negociação.

    Queremos evidenciar nossa surpresa com a suspensão por parte das empresas das rodadas de negociação nos três estados, especialmente frente ao desnivelamento de quantidade de reuniões ocorridas em cada Empresa. O foco da Campanha Unificada tem como eixos principais o PCCS, estabilidade, Plano de Saúde, Fim do Assédio e da Terceirização, Reajuste Salarial, Vale-alimentação, Abono e Empréstimo Emergencial.

    Com relação a pauta específica no caso da COSERN, a maioria das cláusulas não receberam a atenção da empresa. É importante frisar que a mobilização prevista, reflete a ansiedade dos trabalhadores na solução dos pleitos.

A direção do SINTERN