COSERN renega benefícios e os direitos dos trabalhadores
10 de dezembro de 2010 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

O trabalhador, elemento chave de todo processo produtivo, é relegado a um plano inferiorizado, não merecendo pelo seu denodo laboral recompensa digna nos seus proventos, benefícios e vantagens. O empregado tem cumprido fielmente a sua parte no processo, cumpre metas exorbitantes determinadas pela COSERN. Entretanto, por outro lado, a Empresa, aufere os resultados, determina novas metas a serem alcançadas, sem pensar na reciprocidade de garantir aos trabalhadores os seus “direitos”, tais como:


>> De ter boa e crescente remuneração;

>> Ter um PCCS que permita um bom encarreiramento funcional para todos e não só para uns poucos protegidos como vem ocorrendo há anos;

>> Um plano de saúde sem custo para o trabalhador e familiares, bem como cumprimento da legislação  quanto a aposentados e ex-empregados;

>> Garantia da igualdade contributiva de todos os empregados para constituição do Fundo FASERN, objetivando garantir uma complementação futura em termos de vencimentos ou proventos todos contribuindo com 100%;

>> Retornar o critério de anuênios, visando produzir em relação ao tempo de serviço, distanciamentos salariais por antiguidade;

>> Ter garantido o direito ao prêmio aposentadoria ou programa de desligamento para todos;

>> Conceber de forma negocial uma jornada de trabalho dignificante em relação a preservação da saúde e segurança dos trabalhadores;

>> Garantir um bom seguro de vida em grupo para tidos os empregados;

>> Negociar um melhor percentual de penosidade para todos que trabalham em regime de escala;

>> Garantir um vale refeição igual ou superior aos praticados por outras empresas do setor elétrico;

>> Transformar a creche e pré-escola em um benefício mais significativo da creche ao fundamental;

>> Garantir assistência ao acidentado até sua recuperação total;

>> Proporcionar um reajuste digno à função dupla, em face dos ganhos da empresa, obtidos com a redução de seus custos em seus custos em todos esses anos sem ter que contratar motoristas;

>> Resolver o problema das horas extras do Sábado.

    Além de tantos outros justos pleitos dos trabalhadores que devem merecer toda atenção da COSERN nesta negociação. Até quando a empresa vai adiar a resolução destes problemas?

    A paralisação das atividades dos trabalhadores é resultado da política adotada pela COSERN. Muitas outras podem estar por vir. Ou será que alguém duvida que a categoria vai revidar as omissões da empresa.