Funcionários da COSERN paralisam serviços por 24h
06 de dezembro de 2010 | Autor: Jornal de Hoje
Fonte: Jornal de Hoje

Munidos de microfones e contando com auxílio de um carro de som, cerca de 200 funcionários da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) realizaram, hoje de manhã, uma manifestação em frente à sede da empresa para cobrar celeridade nas negociações. O objetivo do movimento visa a garantia de implantação de um Plano de Cargos e Salário, ampliação da estabilidade pré-aposentadoria para 36 meses, mais recursos para a Fundação de Previdência e também para o plano de saúde, o qual foi terceirizado há um ano. Os funcionários suspenderam as atividades por 24h em sinal de advertência.

    Além disso, os eletricitários – que fazem campanha salarial desde o início de novembro – pedem 16% de reajuste salarial, abono no valor de R$ 3.000,00 e, ainda, 13 talões mensais de vale-refeição no valor de R$ 25,00. De acordo com José Fernandes, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Elétricas e Empresas Prestadoras de Serviços no Setor Elétrico do Estado (Sintern), outra exigência seria relacionada à contratação de novos profissionais.

    “Há 13 anos, quando a Cosern passou pela privatização dos serviços, a companhia atendia a uma demanda de consumidores na ordem de 500 mil pessoas. Nessa época, contávamos com cerca de mil e quinhentos servidores. Hoje, a COSERN conta com 730 colaboradores e cerca de um milhão e cem mil consumidores. Ou seja, mais que dobrou a demanda, e o número de funcionários foi reduzido pela metade”, compara o presidente do Sintern. De posse desses dados, ele afirma que tem havido sobrecarga de trabalho atualmente. “muitos são aqueles que têm apresentado doenças ocupacionais e psicossomáticas. É uma situação absurda”, reforça.

    Atingindo todo o Estado potiguar, é provável que os serviços de ligação, reparo e manutenção, além do atendimento ao público nas agências da Cosern sejam comprometidos. Além da Cosern, outras duas empresas do Grupo Neoenergia, Coelba e Celpe, estão suspendendo as atividades por 24h. “Ainda está agendada uma nova paralisação para a próxima segunda-feira porém, será de 48 horas. Novamente os trabalhadores permanecerão do lado de fora da empresa mobilizados e denunciando as péssimas condições de trabalho e de salários praticados pela Cosern”, relatou José Fernandes.

    Segundo o presidente do Sintern, a proposta da empresa foi de 5,39%. Caso não cheguem a um acordo, os trabalhadores podem decidir pela paralisação efetiva. Ele argumenta que a proposta da direção da companhia não atende às expectativas da categoria e que é pouco superior ao reajuste concedido em 2009, quando obtiveram melhoria salarial de 4,78%. No entanto, eles argumentam que o ano passado foi de crise e os trabalhadores entenderam a necessidade de abdicar de um percentual de reajuste maior. “Só neste ano, teve um lucro líquido de R$ 250 milhões. É possível conceder um aumento melhor. Ano passado, quando houve a crise, entendemos a situação da empresa”, explicou.

    Como o impasse persiste, a intenção do sindicato é continuar com as mobilizações semanais até que a proposta da Cosern melhore. Está agendada para quarta-feira, dia 8, uma reunião entre a direção da companhia e o sindicato, onde haverá nova tentativa de acordo. Caso não ocorra, os funcionários poderão iniciar uma greve. De acordo com a assessoria de comunicação da Cosern, a direção da companhia tem participado de reuniões junto aos trabalhadores e está, no momento, analisando todos os itens da pauta dos eletricitários. Segundo Helder Cavalcanti, diretor de comunicação da companhia, não haverá paralisação de nenhum tipo de serviço e a população deve ficar tranqüila.