PLR 2009 é uma questão de justiça
01 de julho de 2011 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

O pagamento da PLR 2009 virou caso de justiça. No dia 26 de maio de 2011, a Neoenergia frustrou as expectativas dos trabalhadores ao sonegar o repasse da diferença dos resultados daquele ano.


    Diante do descaso, a direção do SINTERN vai ingressar com uma ação de justiça contra a COSERN para fazer valer o direito da categoria.

Histórico do pagamento da PLR mostra uma relação conflituosa entre trabalhadores e COSERN

PLR 2007: A COSERN tentou condicionar a negociação da PLR ao fechamento do Acordo Coletivo de Trabalho 2007/2008. Após reação dos trabalhadores, o Prêmio foi distribuído sem a vinculação. O ACT terminou em dissídio com todos os direitos dos trabalhadores reconhecidos em decisões judiciais.

PLR 2008: Os trabalhadores reivindicavam a melhora da classificação dos objetivos da companhia de “muito boa” para “excelente”. A meta de ser “excelente” não foi atingida em virtude de fatores que não dependem do trabalhador como foi o caso da redução tarifária e chuvas.

PLR 2009: As atividades da COSERN ficaram paralisadas por quatro dias com a finalidade de garantir que a PLR de todos fosse 1,5% e não 1% como queria a Empresa. A mobilização deu resultado. O Conselho de Administração da COSERN deliberou que, embora a empresa fosse avaliada como “bom”, o índice da PLR, em caráter excepcional, seria de 1,5%.

PLR 2010: Nas negociações da PLR 2010, a direção do SINTERN cobrou o pagamento do residual da PLR 2009 para os trabalhadores, uma vez que a COSERN já fez reservas de dividendos para os acionistas.