Trajetória de luta dos trabalhadores na conquista dos avanços salariais e nas condições de trabalho
25 de junho de 2012 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

O caminho rumo as conquistas salariais e as condições de trabalho durante a Campanha Salarial 2011/2012 foi dura, longa e desgastante para os trabalhadores. Porém, foi considerada vitoriosa ao avançar em muitas das reivindicações da categoria.

O movimento teve início com reuniões de organização da Campanha Salarial Unificada. Os representantes da Intersindical Neoenergia estiveram reunidos no dia 19 de fevereiro e nos dias 16 e 17 de setembro, em Natal/RN para planejar ações e definir pontos prioritários de luta. Onde foi estabelecido que a coordenação das atividades da organização, articulação e mobilização dos trabalhadores na Campanha Salarial Unificada ficariam a cargo do presidente do SINTERN, José Fernandes.

Negociações - A direção do SINTERN  entregou no dia 17 de outubro de 2011 à COSERN a pauta de reivindicações do Acordo Coletivo de Trabalho 2011/2012.  A Pauta levou em consideração: a pesquisa realizada junto aos trabalhadores; as sugestões emanadas das assembléias realizadas em todo o estado, entre outros. Por sua vez, os dirigentes da Intersindical Neoenergia entregaram no dia 31 de outubro a Pauta Unificada para a diretora de Recursos Humanos da Neoenergia, Lady Batista de Morais. 

Desde então, os trabalhadores passaram a exigir da COSERN o atendimento das reivindicações durante as negociações uma vez que nas reuniões dos dias 26 de outubro e 3, 10 e 23 de novembro não houve avanços significativos.

Paralisações - Sem respostas positivas da COSERN, os trabalhadores aprovaram por unanimidade em assembléia realizada no dia 7 de dezembro de 2011 a paralisação de 48h. A mobilização foi marcada para os dias 13 de 14 de dezembro de 2011.

O movimento foi desencadeado de forma simultânea pelos trabalhadores da CELPE e da COELBA após a apresentação das propostas do Grupo Neoenergia na mesa de negociação. Toda a mobilização foi amplamente divulgada na imprensa estadual pela assessoria de comunicação do SINTERN. Ainda foi reeditada no dia 16 daquele mês a festa alternativa de final de ano promovida pelo SINTERN na Praça da Santa Cruz da Bica.

Nos dias 8 e 12 de dezembro houve novas negociações com a COSERN. Por sua vez, no dia 15 do mesmo mês foi realizado outro encontro com o Grupo Neonergia sobre a pauta unificada no Rio de janeiro. Desta vez a união dos trabalhadores nas paralisações de advertência na COSERN, CELPE e COELBA serviram par alavancar as negociações.

Vitória - Desta forma, os trabalhadores da COSERN aprovaram por ampla maioria, em assembléia realizada no dia 20 de dezembro de 2011, o resultado das negociações visando a celebração do Acordo Coletivo de 2011/2012. Foram conquistadas 20 cláusulas com reajustes salariais, outras 20 mantidas com mesmo custo financeiro, além de 11 mantidas sem custos financeiros e 7 não negociadas. Entretanto, a categoria ainda tem um acordo incompleto, pois existem seis cláusulas que foram para Dissídio Coletivo pelo quinto ano consecutivo.

Na avaliação dos trabalhadores a proposta não foi considerada ideal, em especial pelo dissídio, mas, aquela que foi possível de ser conquistada após inúmeras reuniões e mobilizações. De qualquer forma, o Acordo Coletivo não deixa de ser considerado uma vitória dos trabalhadores que com ousadia, determinação e união foram à luta para conquistar os avanços em seus benefícios.