Greve histórica garante ganho real para eletricitários
17 de agosto de 2012 | Autor: SINTERN
Fonte: FNU

Depois de 10 dias de uma greve histórica dos trabalhadores eletricitários de todo o país. Os eletricitários avaliam e aprovaram em assembléias realizadas em todo o país a propostapatronal. A categoria conquistou ganhos reais na pauta de reivindicações, entre eles o reajuste de 1,5% retroativo a maio, além dos 5,1% referentes à inflação, e a concessão de melhorias na quantidade de tiquetes alimentação.

Na avaliação do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) é inegável o avanço da contraproposta, uma vez que o que se tinha antes da greve era apenas o IPCA (5,1%), sem nenhum ganho real.

Há mais de 20 anos que os eletricitários não realizavam uma greve por tempo indeterminado, com adesão de mais de 90% dos trabalhadores das 14 empresas do Sistema Eletrobras, entre elas, Eletronorte, Chesf, Eletrosul e Furnas.

O presidente da Federação Nacional dos Urbanitários, Franklin Gonçalves, avalia a greve de forma muito positiva, pois os trabalhadores, na sua grande maioria, aderiram de forma consciente para lutarem por melhores salários, melhorias no plano de carreira e melhores condições trabalhistas.

Conforme nota da Federação, “a greve renovou a auto-estima dos eletricitários dando a certeza que esse instrumento de luta deverá ser incorporado de forma permanente para enfrentar todo e qualquer ataque aos seus direitos”.

Além disso, Franklin Gonçalves afirma que os eletricitários não permitiram romper acordos já estabelecidos e firmados no período do Governo Lula e exigiram respeito a este instrumento de pressão dos trabalhadores, que é a greve.

“Estes avanços tão importantes para nós são fruto de muita luta e unidade, inclusive de outras entidades sindicais”, disse o presidente da FNU. Segundo informações da Federação, diante do avanço na contraproposta apresentada pelo Sistema Eletrobras, a recomendação do Coletivo Nacional dos Eletricitários foi pela sua aprovação em todas as assembleias que foram realizadas nos dias 26 e 27 de julho de 2012 entre os trabalhadores das estatais.

Fonte: FNU e movimentos sociais