SINTERN reafirma que pauta unificada será negociada em conjunto com a Intersindical
29 de outubro de 2012 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: direção do SINTERN

Na primeira rodada de negociação realizada no dia 25, os diretores do SINTERN receberam a sinalização de que a diretora de Gestão de Pessoas da Neoenergia, Lady Moraes, não vai negociar a pauta unificada com a Intersindical. A decisão, caso confirmada, ameaça acabar com o canal de interlocução construído com muita luta pelos trabalhadores da COSERN, COELBA e CELPE.


O presidente do SINTERN, José Fernandes, reafirmou que o processo de negociação com a COSERN abrangerá apenas a pauta específica. As cláusulas envolvendo a Campanha Unificada continuarão a ser discutida com a Neoenergia. “Se preciso vamos buscar novamente o apoio político nos gabinetes de senadores e deputados federais em Brasília/DF para reabrir o diálogo”, afirmou José Fernandes.


A posição adotada por Lady merece o repúdio da categoria. A diretora precisa repensar o seu posicionamento no princípio de que na política capital x trabalho, muitas são as dificuldades. Só com bons gestos e ações abnegadas se consegue chegar às vitórias.


Fugir da luta e dos enfrentamentos em nada contribui para o crescimento esperado. Um problema de percurso não pode, nem deve ser capaz de prejudicar mais de 5.500 trabalhadores do Grupo Neoenergia. È importante que se aja com rapidez, no sentido de se dar encaminhamentos as negociações sem a interferência de terceiros.


Para o diretor do SINTERN, Ari Azevedo, a intenção da diretora é interferir na autonomia da organização sindical. A Neoenergia sabe que trabalhador organizado é trabalhador caro.


Por sua vez, o diretor Paulo Barateiro não há justificativa de vincular o problema isolado da PLR na COELBA com o processo de negociação da Pauta Unificada do Acordo Coletivo com a Intersindical. Paulo finaliza com um recado direto e claro: “na política, assim como na vida, é mais fácil espelhar brasas, do que juntar os cacos”.

Cronograma final de negociação
Na reunião ainda foi discutido a definição do cronograma de negociação. Ficou acordado que as datas serão as seguintes:


Quinta-feira, dia 1º/11, às 14h;
Terça-feira, dia 13/11, às 14h;
Terça-feira, dia 20/11, às 14h;
Terça-feira, dia 27/11, às 14h;


O local ainda será definido pela representação patronal. Ainda ficou decidido que haverá um limite de 10 integrantes por bancada de negociação.


Na oportunidade, os dirigentes sindicais alertaram os representantes patronais para não adotar qualquer medida que restrinja a participação dos trabalhadores nas assembléias. Cursos, integrações, em fim, qualquer outro tipo de atividade deve ter sua realização adiada para garantir a presença dos trabalhadores nas mobilizações.