COSERN pode mais, bem mais do que propõe
28 de novembro de 2012 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

A Comissão de Negociação dos Trabalhadores esteve presente em mais uma rodada de negociação no dia 27 de novembro de 2012 com a bancada patronal visando à celebração do Acordo Coletivo de Trabalho 2012/2013. Um debate longo, cansativo e árduo que terminou madrugada do dia seguinte.

Após a explanação dos sindicalistas sobre as expectativas e análise de conjuntura favorável que a COSERN atravessa, os representantes dos patrões apresentaram nova proposta  para todas as cláusulas da pauta específica (veja quadro).

Os sindicalistas colocaram de forma clara e objetiva que não vão tolerar a postura de "enrolação" e "embromação" que a bancada patronal vem adotando na mesa de negociação. A categoria espera que a COSERN apresente respostas concretas que atendam as reivindicações constantes na pauta de negociação. Isso passa necessariamente por números mais condizentes com os excelentes resultados que a Empresa alcançou neste ano.

Da forma que a empresa está conduzindo as negociações é como se estivesse oferecendo “milho para galinhas”, ou seja, apresentando propostas vergonhosas que em nada atendem as expectativas dos trabalhadores. A situação é, no mínimo, conflitante, uma vez que a categoria espera reconhecimento e valorização por sua dedicação diária, alavancando a COSERN a um patamar de lucratividade considerado um dos melhores das empresas do Grupo Neoenergia.

A Campanha Unificada nivela algumas cláusulas econômicas e sociais com as demais empresas do Grupo Neoenergia. Como as negociações nas demais companhias estão em fase bem mais adiantada do que a da COSERN, os cosernianos ficam à margem de todo o processo de negociação, principalmente quando as cláusulas da pauta específica também são balizadas com o SINERGIA/BA e o SINDURB/PE.

Os trabalhadores querem crescer junto com a COSERN e esperam uma proposta condizente com suas necessidades. A negociação, porém é dificultada pelo fato da bancada patronal não apresentar as condições da Empresa. Não se sabe o que tem dentro deste “pote” para ser investido para os trabalhadores. De qualquer forma o que se espera nas negociações é que seja acordado o maior número de cláusulas propostas.