Negociações da PLR 2012
14 de março de 2013 | Autor: Direção do SINTERN
Fonte: Direção do SINTERN

Entrevista com o representante dos trabalhadores no Conselho de administração da COSERN, Pedro Damásio, sobre a Participação nos Lucros e Resultados. Confira:

 

A Luz – Como está o andamento das negociações da PLR 2012?

Pedro – A intersindical Neoenergia já se reuniu duas vezes com a diretora de gestão de Pessoas do Grupo Neonergia, Lady Moraes. No primeiro encontro foi definida uma agenda de negociação. Desta forma, tínhamos uma reunião aprazada para o dia 5 de março, mas esta foi adiada pela diretora. Ainda não existe data definida para continuidade das negociações.

 

A Luz – Quando será paga esta PLR?

Pedro – Quando da primeira reunião elaboramos um calendário de encontros dos sindicatos com cada empresa e da Intersindical com a Neonergia. Por este cronograma tínhamos uma previsão de pagamento para o período compreendido entre 25 e 30 de março de 2013.

Com o adiamento da reunião do dia 5 de março, precisamos definir a data de pagamento. Vai depender das reuniões que vamos realizar com a  COSERN e a outra que será agendada com a Neonergia.

 

A Luz - Alguma novidade quanto ao resíduo da PLR 2009?

Pedro - A PLR 2009  faz parte da pauta de negociação. Não há uma posição definitiva da Empresa. Temos tido dificuldade para conversar sobre este tema que é uma reivindicação dos cosernianos. Esperamos ter uma resposta na próxima reunião que teremos com a diretora.

 

A Luz - A fórmula de apuração da PLR será a mesma?

Pedro – Veja bem, para este ano está definida a linearidade que foi implementada desde a distribuição da última PLR. Com isso, o pagamento da PLR não se baseia nos degraus insuficiente, suficiente, bom, muito bom e excelente, e sim na linearidade. Assegurando-se no mínimo 0,5% do Ebitda.

Para o próximo ano estamos discutindo a aplicação da linearidade nos objetivos e nas metas. É uma proposta em discussão. Estamos conversando com os trabalhadores e com a COSERN para ver o que podemos obter.

 

A Luz - Na sua opinião, porque a PLR não condiz de forma verdadeira com o desempenho dos trabalhadores?

Pedro – Observamos que, a cada ano, os trabalhadores superam seus esforços, alavancando os resultados das empresas. Resultando no pagamento de fabulosos dividendos aos acionistas. No entanto, o valor pago a cada trabalhador como PLR, deixa muito a desejar, trazendo como resultado uma insatisfação enorme dos cosernianos (as).

A nossa luta tem o intuito de aumentar a PLR paga aos trabalhadores (as). Aguardamos a contribuição de cada coserniano(a) com o objetivo de termos êxito nesta negociação da PLR.