CARTA INTERSINDICAL NEOENERGIA
22 de março de 2013 | Autor: Intersindical Neonergia
Fonte: Intersindical Neonergia

 

Ao Senhor Marco Geovanne Tobias da Silva

MD Presidente do Conselho de Administração da Neoenergia

(em mãos)

 

Prezado Senhor,

Como é do conhecimento de Vossa Senhoria os sindicatos signatários, há muito vêm atuando em conjunto em defesa dos trabalhadores do Grupo Neoenergia, especialmente dos empregados da Celpe, Coelba e Cosern. Esta atuação dos sindicatos tem se consumado através da Intersindical Neoenergia, entidade informal, constituída pelo Sindicato dos Urbanitários de Pernambuco – SINDURB/PE, pelo Sindicato dos Eletricitários da Bahia – SINERGIA/BA e pelo Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Energética e Empresas Prestadoras de Serviços no Setor Elétrico do Estado do Rio Grande do Norte – SINTERNa ação das entidades tem apontado no sentido do entendimento e da negociação mais eficaz dos pleitos dos trabalhadores com a Direção da Neoenergia surgindo daí uma nova relação de trabalho.

Não obstante a já mencionada performance de negociação, por vezes, observamos a necessidade de alargar o diálogo entre o Conselho de Administração do Grupo e a Intersindical Neoenergia. Por entendermosque pontualmente poderemos contribuir na solução de questões que dizem respeito aos trabalhadores e, que para estes não estão tendo a sensibilidade necessária por parte dos acionistas majoritários. O aprimoramento do diálogo com o Conselho de Administração não significa que abriremos mão do diálogo e da negociação com a Diretoria da Neoenergia, especialmente com a Diretoria de Gestão de Pessoas, muito pelo contrário, vamos intensificá-lo e refiná-lo tendo como objetivo o crescimento e o contentamento dos trabalhadores e do grupo empresarial.

Atualmente temos uma Pauta Comum de demandas dos empregados das três empresas mencionadas, pauta esta que debatemos durante todo ano, intensificando a negociação na época da nossa data base. Não olvidando a Pauta Específica que é tratada e discutida em cada empresa.

Não resta dúvida que o estabelecimento, pela lei da desestatização de cada estado, do representante dos empregadosnos conselhos das empresas, foi fundamental. Pois, eleito democraticamente pelos trabalhadores faz repercutir os pleitos dos mesmos e emmuito facilita as relações laborais, exercendo o papel de realizar uma interlocução contínua entre os acionistas, trabalhadores e sindicatos nas resoluções dos problemas e crises. 

Isto posto, às vezes, apesar de delongadas e respeitosas negociações não conseguimos solucionar problemas, aparentemente de fácil solução para os trabalhadores, o que obriga os dirigentes sindicais a buscar outros interlocutores. Às vezes externos ao Grupo, outras vezes com estreita relação com o mesmo, como já aconteceu com Vossa Senhoria e com o Senhor Mário Ruiz, por ocasião do nosso último encontro mencionamosdemandas que gostaríamos de vê-las solucionadas, as quais voltamos a registrar e solicitar a sua solução: 

1- Eleição do representante dos empregados para o Conselho de Administração da CELPE – Frise-se que na Coelba e na Cosern os empregados já elegem seus representantes desde a privatização, não justificando tratamento diferenciado aos trabalhadores da Celpe. Uma vez que consta do edital de desestatização da CELPE no CAPÍTULO 4 – DIREITO E OBRIGAÇÕES DOS ADQUIRENTES DE AÇÕES DA CELPE E DOS EMPREGADOS, ITEM 4.4 – OBRIGAÇÕES ESPECIAIS DOS ADQUIRENTES, INCISO IV – Assegurar a eleição de, pelo menos, 1 (um) membro do conselho de administração da CELPE, livremente indicado pelos empregados da companhia, caso as ações que detenham, não sejam suficientes para assegurar a eleição. Além do mais, o Estatuto da CELPEtambém prever o representante dos trabalhadores no Conselho daquela Empresa.

2- Eleição do representante dos empregados para o Conselho de Administração da Cosern com a participação de todos os empregados no pleito – Atualmente na Coelba todos os empregados, mesmo que não sejam acionistas, participam do pleito para eleger ou ser eleito representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da empresa, enquanto que na eleição do representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Cosern é exigível que os eleitores sejam acionistas, o que restringe a representatividade. 

3- Alteração dos estatutos e regulamentos das fundações FAELBA, CELPOS E FASERN –Parapermitirisonomia de tratamento entre os participantes das 03 (três) Empresas no que diz respeito a contribuição individual para cada Fundação. E tratamento remuneratório isonômico também entre o diretor eleito e os diretores indicados pela patrocinadora.

4- Participação nos Lucros e Resultados –O modelo para definição da PLR das empresas vem nos últimos anos se mostrando injusto em face do esforço desprendido pelos trabalhadores. Observa-se a obtenção de significativos lucros pelas Empresas, sem, contudo refletir uma PLR expressiva para os trabalhadores. Tal circunstância é fruto da deliberação, por parte dos acionistas, que impõem arrojados objetivos e metas corporativas que além de servir para maximizar os lucros são também balizadoras na definição do valor a ser pago como PLR. Sendo que para PLR dos empregados os objetivos e metas impostas são na maioria das vezes impossíveis de serem atingidas, e isso assenta no pensamento do trabalhador uma condição de injustiça, já que os acionistas auferem dividendos expressivos e os trabalhadores percebem cada vez menos PLR. Este tema encontra-se em discussão com a Diretora de Gestão de Pessoas da Neoenergia, no entanto, os resultados não têm sido significativos para os trabalhadores. Assim sendo, rogamos aos acionistas uma maior sensibilidade visando atenuar as condições dos trabalhadores e como consequência que lhes sejam pagos significativos valores com PLR reconhecendo o esforço de cada um.

Na certeza que teremos por parte de Vossa Senhoria acolhimento e soluções imediatas para os nossos pleitos ficamos no aguardo da sua breve resposta, que com certeza serão alvissareiras para os trabalhadores.

 

Atenciosamente,

 

André R.Monteiro Melo   Maria Cristina Brito Costa      José Fernandes de Sousa

SINDURB/PE                         SINERGIA/BA                                SINTERN